Tubarão

O projeto do Estacionamento Rotativo que deveria ser encaminhado para o Tribunal de Contas do Estado (TCE), em Florianópolis ontem poderá ser entregue aos representantes do órgão estadual nesta quarta ou quinta-feira. A expectativa é que o parecer do TC ocorra em até 45 dias. Se aprovado, em 90 dias a prefeitura abrirá a licitação da concessão.

De acordo com o consultor técnico da empresa Paranasul Projetos e Execuções, Geferson Mozzer, o estudo deverá estar fechado até o fim do dia de hoje. ” Trabalhei nesta segunda neste documento. Ele está praticamente fechado. Não ocorreram modificações. Vou anexar o Registro de Responsabilidade Técnica e depois disso encaminharei para a prefeitura nesta terça-feira no decorrer do dia”, explica.

Mozzer desempenha trabalhos como este há cerca de 10 anos em diversos municípios de vários Estados. Segundo ele, foram necessários quatro meses de estudos para buscar a melhor maneira de implantar o sistema na Cidade Azul. “No encontro que tive na quarta-feira passada, pude sentir que a sociedade estava com muita pressa para que o sistema fosse implantado. Estou intensificado os trabalhos para não ser necessário realizar ajustes. Se o TCE entender que será preciso melhorar, nós vamos melhorar, porém o intuito é deixar tudo pronto”, pontua.

A consultoria técnica foi contratada para que a administração municipal pudesse responder todos os questionamentos feitos pelo TCE, que solicitou dezenas de pareceres para aprovar o processo de licitação da concessão do serviço. Cinco meios de pagamento da ocupação da vaga foram sugeridos: débito automático, aplicativo em smartphone, parquímetro pessoal, portal (site) e pontos de vendas (PVD).

O valor da hora deve ser R$ 3,00 para veículos. Algumas vagas poderão ser ocupadas pelo mesmo carro por até duas horas, outras estarão disponíveis, para o mesmo automóvel, por até quatro horas. Na primeira etapa, serão demarcadas 1,2 mil vagas para automóveis e 400 para motos, na região central.

No final de 2015, a prefeitura no governo de Olavio Falchetti (PT) rescindiu o contrato com a Extran, empresa que administrava o sistema rotativo, após muitas reclamações. Em 2016, junto com a aplicação de multa de R$ 320.724,00, o Paço Municipal também declarou a inidoneidade da empresa. Há quase três anos, não existe estacionamento rotativo na cidade.