Tubarão

A Sabatina Regional em Tubarão foi a 17ª das 21 que serão realizadas em todas Associações de Municípios no Estado e também a última da região Sul. Por isso, reuniu os principais pontos já discutidos também nos outros encontros em um debate prestigiado por prefeitos do PP e PSD da região e protagonizado por jornalistas tubaronenses e líderes locais de associações de classe e empresariais. Segurança e Saúde dominaram a maior parte dos questionamentos ao deputado Gelson Merisio (PSD). O debate da Amurel foi realizado nesta sexta-feira, em Tubarão, no auditório da Associação Empresarial de Tubarão (Acit).

Na segurança pública, foi feita uma ampla avaliação do setor. “A sociedade está no semiaberto, sim. O relógio bate 18h e ela se tranca em casa, atrás de um muro alto, com cerca elétrica, alarme e câmeras de vigilância. Precisamos reconquistar nosso bem mais precioso, a liberdade”, afirmou.  Merisio defende que se precisa reconhecer que o momento é de guerra com o crime organizado para começar a reverter a balança desse conflito.

Ele acredita ser necessário ‘reconvocar’, de forma voluntária, cinco mil policiais da reserva, profissionais com idades entre 45 e 55 anos. Além de realizar um investimento de R$ 3 bilhões em tecnologia nos próximos três anos, que exigirá cortes de outras áreas. “Escolher Segurança Pública como prioridade absoluta precisa ser uma decisão da sociedade, um engajamento coletivo de todos”, destaca.

O deputado lembrou a aprovação da PEC da Saúde, de sua autoria, que aumentou de 12% para 15% a aplicação mínima de recursos para a área e deve acrescentar R$ 8 bilhões nos próximos 10 anos para esse setor essencial. “Prioridade sem recurso é discurso. O pior da crise já passou e conseguimos fazê-lo sem aumentar impostos. A informação do atual governador está totalmente errada. Ficar vendendo um Estado ruim não ajuda em nada. Dívida da Saúde não é de R$ 1 bilhão. A parte do Estado é R$ 460 milhões, o restante é extrateto do governo federal, que está começando a pagar agora”, explica.