Zahyra Mattar
Capivari de Baixo

A lentidão das obras de construção do novo prédio da escola Osvaldo Pinto da Veiga, em Capivari de Baixo, deverá dar espaço para trabalho feitos com maior celeridade. Pelo menos foi isso que prometeram os gestores da empresa Serforte, de Criciúma, responsável pela execução do projeto.

Eles reuniram-se ontem com o secretário de desenvolvimento regional em Tubarão, Haroldo Silva (PSDB), o Dura, e gerentes para definir um novo cronograma físico e financeiro à obra a partir do próximo ano.

“A obra não chegou a ficar paralisada nos últimos cinco meses. Inclusive, a empresa tem até dinheiro para receber, mas não entrou com o pedido porque o valor é pouco, diz respeito apenas à demolição da estrutura antiga. Acertamos que eles cumprirão o cronograma previsto para este ano e vamos alterar o de 2011”, detalha Dura.

Nos últimos cinco meses, foi feita, além da demolição do prédio, a limpeza do terreno, as sondagens do solo e a conclusão dos projetos complementares. Até dezembro, o estaqueamento, sapatas, vigamento e baldrame precisam estar prontos. Isto corresponde a R$ 400 mil do total previsto no contrato, em torno de R$ 1,5 milhão.

“No próximo mês, vou fazer vistorias para acompanhar mais de perto o serviço. Caso o trabalho continue lento, no fim do mês tomaremos as medidas jurídicas cabíveis. O cronograma será rigorosamente cobrado”, assinala Dura. Até a conclusão do novo colégio, cuja área construída passará dos dois mil metros quadrados, os alunos estudarão na escola Otto Feuerschuette.