Wagner da Silva
Braço do Norte

A partir deste ano, todas as cooperativas de fornecimento de energia do estado terão que obedecer a 13 normas técnicas a fim de padronizar a execução de serviços. Na tarde desta sexta-feira, o engenheiro eletricista do departamento técnico da Federação das Cooperativas de Energia e Desenvolvimento Rural de Santa Catarina (Fecoerusc), João Belmiro Freitas, apresentou as novas regras em um seminário. Participaram funcionários das cooperativas de Rio Fortuna, Grão-Pará e Braço do Norte.

O programa de padronização do sistema permanece em desenvolvimento e é executado através dos presidentes e de profissionais da área técnica do setor de energia, ligados à Fecoerusc, com apoio da Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina (Satic-SC), em Criciúma. O objetivo é padronizar as atividades de projeto, construção, operação e manutenção do sistema de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica das 22 cooperativas associadas à Fecoerusc.
Todas possuem como foco principal a segurança na execução de tarefas. Segundo o engenheiro, a confecção das normas técnicas iniciou em 2007. “Uma vez por mês, engenheiros e técnicos reúnem-se, discutem sobre um dos temas abordados pelos comitês. Eles contam com apoio tecnológico, metodológico e pedagógico da escola técnica da Satic”, detalha Belmiro.

Para garantir que todos conheçam e utilizem as mesmas normas, o engenheiro explica que são definidos padrões, instruções e especificações a fim de unificar os trabalhos. “Todas as normas serão repassadas, por meio de treinamentos e palestras, aos colaboradores das 22 cooperativas”, esclarece Belmiro. Até o próximo dia 30, as 13 normas técnicas passam a ser oficializadas e utilizadas pelas cooperativas de eletrificação em todo o estado.

Presidente da Cerbranorte afirma que
norma trará benefícios a longo prazo

Como o próprio engenheiro eletricista do departamento técnico da Federação das Cooperativas de Energia e Desenvolvimento Rural de Santa Catarina (Fecoerusc), João Belmiro Freitas, cita, as pessoas têm aversão a mudanças. Porém, segundo ele, as mudanças previstas para o setor de energia elétrica trarão segurança para que trabalha no setor e também para os consumidores.

A colocação é reforçada pelo presidente da Cooperativa de Eletrificação de Braço do Norte (Cerbranorte), Valdir Willemann, o Voíco. “Concordo que as mudanças podem gerar debates, mas a padronização protegerá os profissionais e usuários. Ao executar uma ligação de energia elétrica ou em sua utilização, sempre há um risco. As normas vêm para minimizar ainda mais a ocorrência de algum acidente”, argumenta Voíco.

Já o eletricista autônomo Paulinho da Silva, acredita que as novas regras trarão dificuldade para os clientes. “Será complicado convencê-los a optar pelas adaptações, mas com toda certeza estas normas trarão maior segurança a todos”, enfatiza.