Na construção civil, há vagas de trabalho em Tubarão e Imbituba. Oferta de trabalho tem aumentado.
Na construção civil, há vagas de trabalho em Tubarão e Imbituba. Oferta de trabalho tem aumentado.

Priscila Alano
Tubarão

Tubarão e Imbituba registraram saldo positivo no mês passado no quesito empregos. Foram 185 e 22 novos postos de trabalho, respectivamente. Já em Laguna, os números foram negativos, 61 vagas a menos. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho.

No primeiro quadrimestre de 2010, chegou a 1.475.
O secretário de indústria e comércio da prefeitura de Tubarão, Estener Soratto Silva Júnior, avalia positivamente as estatísticas. “Os números nos mostram que as empresas necessitam de mão-de-obra, e que estão contratando. Há vagas de trabalho no município”, comemora Soratto.

O setor que mais empregou em Tubarão em abril foi o comércio, com 97 contratações. Seguida da indústria de transformação, com 42 postos, e a administração pública, com 38 novas vagas. No primeiro quadrimestre de 2010, destacam-se os setores de serviços, com 673, e a indústria da transformação, com 444 contratações. Ao todo, foram geradas na cidade 1.475 novas vagas desde janeiro.

Em Imbituba, a construção civil tem impulsionado a geração de emprego. Em abril, o setor empregou 25 profissionais a mais. No quadrimestre, este número foi de 142 postos e, nos últimos 12 meses, 252. “Estão em construção no município cerca de dez prédios e outros seis podem ser iniciados ainda este ano. As empresas utilizam mão-de-obra do município”, explica o secretário de desenvolvimento urbano e ambiental da prefeitura de Imbituba, Ramires Ferreira.

Saldo é negativo em Laguna

As informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho não são nada animadoras para Laguna. No mês passado, a cidade registrou um índice negativo de 61 postos de trabalho. Apenas o setor agropecuário admitiu: 14 vagas.

No quadrimestre, o município teve saldo de menos 115. O secretário de desenvolvimento econômico e social da prefeitura de Laguna, Diego Rodrigues Medeiros, explica: os números desanimadores são resultado das demissões ocorridas em função do encerramento da temporada de verão. “Na baixa temporada, o único setor que deve contratar é o pesqueiro”, destaca.