O mapa de risco que avalia a evolução do novo coronavírus no estado de Santa Catarina está inteiramente azul. Isso quer dizer que todas as regiões de saúde catarinense estão classificadas como em nível moderado.

Esta é a primeira vez vez desde que foi implementada em Santa Catarina em 29 de julho de 2020, a Matriz de Risco Potencial Regionalizado divulgada neste sábado (11), aponta todas as 17 regiões como risco potencial moderado (cor azul).

Além disso, pela décima semana consecutiva, nenhuma região do estado foi classificada nos níveis de risco Grave (laranja) ou Gravíssimo (vermelho). A última vez que a Matriz classificou uma região no nível Grave foi no dia 01 de outubro, e no nível Gravíssimo no dia 11 de setembro.

Desde então houve avanço na vacinação que, alinhado a uma redução na taxa de hospitalização, na ocupação de leitos de UTI Adulto para tratamento da Covid-19 e na taxa de mortalidade, vem mantendo a tendência de redução da gravidade da pandemia em todas as regiões do Estado.

De acordo com o secretário de Estado da Saúde, André Motta, o trabalho, desde o início da pandemia, ocorre de forma incansável para se chegar a esse momento. Para ele a matriz reflete os acertos do governo do Estado no enfrentamento a essa pandemia, com a colaboração de todos os catarinenses.

“Seguimos sendo um exemplo positivo nesse enfrentamento e estamos colhendo os frutos de decisões precisas e assertivas. Flexibilizamos nos momentos corretos e endurecemos também. E o mais importante, temos a cada dia uma vacinação mais significativa”, enfatiza o secretário.

 

Dados devem ser avaliados com cautela

Segundo o superintendente de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário, o dado é extremamente positivo, mas deve ser visto com cuidado. Ele explica que a classificação dessa semana precisa ser analisada com cautela.

“Apesar do cenário altamente favorável de melhora do quadro sanitário, ainda se faz necessário acompanhar as atualizações dos próximos dias para identificar se o quadro se manterá. O ataque que os sistemas do Ministério da Saúde sofreram na última sexta feira podem ter impactado na atualização das notificações, hospitalizações e óbitos, bem como na da vacinação, influenciando ainda que de forma reduzida na avaliação da matriz de risco. Estamos em contato com o Ministério da Saúde, acompanhando os esforços que as equipes vêm fazendo para retorno dos sistemas”, explica.

O principal objetivo da matriz de risco é ser uma ferramenta de tomada de decisão. A nota final do mapa de risco considera um intervalo de variação mais adaptado para cada nível, sendo de 1 a 1,9 como moderado, 2 a 2,9 como alto, 3 a 3,9 como grave e igual a 4 como gravíssimo.

 

Fonte: Gov. de SC