#Pracegover Foto: na imagem há três jovens
#Pracegover Foto: na imagem há três jovens

Gravado em Imaruí e com a participação de moradores e artistas locais, o filme ‘Albertna’, foi premiado recentemente em Los Angeles, nos Estados Unidos. A produção catarinense recebeu o prêmio de melhor longa-metragem no festival de cinema independente Wica (World Independent Cinema Awards L.A).

O filme foi gravado nos primeiros meses do ano passado, antes da pandemia. O longa-metragem está legendado em seis idiomas. Além de concorrer a premiação nos Estados Unidos, o filme também foi indicado ao World Film Festival, de Cannes. O evento francês ocorrerá no próximo ano. O longa de Imaruí foi indicado em cinco categorias.

Albertina nasceu em 11 de abril de 1919 em Imaruí. Filha de imigrantes alemães que construíam a vida na nova pátria como agricultores, ela recebeu desde cedo a formação católica e aprendeu ainda pequena as orações, que fazia com alegria. Participava ativamente da vida religiosa da comunidade e se preparava com entusiasmo para receber a Primeira Comunhão. Albertina dizia que aquele seria o dia mais belo de sua vida.

Confessava-se com frequência e comungava sempre. Além de gostar muito de falar da Eucaristia, cultivava especial devoção a Nossa Senhora, rezando o rosário com fervor. Também era devota do padroeiro da comunidade, São Luís, que, providencialmente, é considerado modelo de juventude vivida na pureza do corpo e da alma.

Foi no dia 15 de junho de 1931 que Albertina, aos 12 anos, deu o seu grande testemunho, perdendo a vida para preservar a sua pureza espiritual e corporal. Naquele dia, obedecendo a um pedido de seu pai, a menina foi procurar um boi que tinha se perdido. No caminho, encontrou seu malfeitor: um homem chamado Idalício Cipriano Martins, que, por alguma razão, também usava o nome de Manuel Martins da Silva. Apelidado de “Maneco Palhoça”, ele já tinha chegado a ajudar a família nos trabalhos do campo. Quando a jovem lhe perguntou se tinha visto o animal que procurava, o homem lhe deu uma pista falsa e a mandou para o local em que tentou violentá-la.

Derrubada ao chão, ela cobriu-se o máximo que pôde com seu vestido. Sem conseguir derrotá-la, Maneco lhe afundou um canivete no pescoço, degolando-a. Conforme ressalta o site dedicado à beata, nesse momento o “seu corpo está manchado de sangue; sua pureza e virgindade, porém, estão intactas”.

O assassino ainda escondeu o canivete e foi avisar aos familiares da menina que ela tinha sido morta, afirmando que outro indivíduo era o culpado: um homem chamado João Cândido, que chegou a ser preso, injustamente acusado.

Maneco, entretanto, não conseguiu esconder o seu crime por muito tempo. Consta que o assassino não parava de ir e vir dentro da sala do velório, nervoso, e, ao aproximar-se do caixão, a ferida no pescoço de Albertina começou a sangrar novamente.

Foi quando o prefeito da cidade mandou soltar João Cândido e, com ele, pegou um crucifixo na capela. Os dois seguiram até o velório. Quando a cruz foi colocada sobre o peito da mártir, João se ajoelhou e, com as mãos no crucifixo, jurou inocência. Naquele momento, conforme os relatos, a ferida parou de sangrar.

A essa altura, Maneco Palhoça tinha fugido, mas foi preso posteriormente. Ele confessou o crime e testemunhou que Albertina não havia cedido às suas pressões porque ela não queria pecar.

A fama de Albertina começou a circular rapidamente entre a população local, que conhecia a jovem, a sua educação cristã, o seu amor pela família e pelo próximo e o seu bom comportamento, piedade e caridade. Albertina Berkenbrock foi proclamada Bem-Aventurada em 20 de outubro de 2007 pelo Papa Bento 16.

 

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul