Liliane Dias
Braço do Norte

É claro que as pessoas precisam de afeto, carinho e atenção, mas em alguns momentos a melhor forma de demostrar esse sentimento e a preocupação com o próximo, é por meio de ações. Em Braço do Norte, voluntários demostram essa preocupação, com a campanha do agasalho. Este é o segundo ano da ação e o primeiro coordenado pela Câmara Mirim de Vereadores do município.

A intenção é arrecadar o maior número de itens para aquecer o inverno dos menos favorecidos. O grupo não trabalha com metas, mas busca arrecadar o máximo que alcançarem. “Aceitamos todo tipo de roupa de inverno, cobertores, roupas de cama. Não temos uma meta, mas queremos arrecadar o máximo possível, pois assim mais pessoas do município poderão ser ajudadas”, explica a vereadora mirim, Letícia Ascari Fernandes.

As pessoas que tiverem interesse em contribuir com a causa poderão levar os itens de inverno para serem doados até a Câmara de vereadores de Braço do Norte. O horário de expediente é das 12h30 às 18 horas, de segunda a sexta-feira. A campanha tem encerramento previsto para final deste mês.

A Câmara Mirim de Braço do Norte tem uma parceria com a Assistência Social. Todos os agasalhos são levados para a secretaria que se encarrega de efetuar a distribuição. “A Assistência possui a relação das pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade. Eles farão a distribuição”, assegura.

 

Câmara Mirim

A função dos vereadores mirins é ajudar na fiscalização, criar projetos como a campanha do agasalho, que não envolvam recursos da prefeitura, principalmente, aprender sobre as atividades e funções do poder Legislativo e Executivo.

O programa vereador mirim é um projeto que pode ser implantado em todas as cidades. Em Braço do Norte, a implantação por meio da lei proposta pela vereadora Maria da Silva Kulkamp e aprovada pelos demais vereadores, está na segunda legislatura.

A câmara Mirim, conta atualmente com 11 vereadores. Para a eleição, uma visita nas escolas do município divulgando o projeto, ocorreu para verificar o interesse dos jovens em participar. “Os interessados colocam o seu nome na secretaria da escola e preencheram uma folha com autorização. Posteriormente, uma votação entre as escolas. Quem vencesse, se tornaria Vereador Mirim. Uma cerimônia de posse ocorreu para que fosse feito o juramento, de ajudar o município”, conta Letícia.

Os jovens que podem participar devem cursar entre o sexto e nono ano, independentemente da idade. Durante essa Legislação tiveram cursos de oratória, sobre a Constituição do Brasil e outros. “Em março, os vereadores participariam de um curso ofertado pela escola do legislativo, mas infelizmente foi cancelado por conta da pandemia. Mas estamos nos adaptando com a tecnologia e as sessões mirins serão virtuais até que seja liberada a presença de todos em plenário”, finaliza a vereadora mirim