Priscila Loch
Tubarão

Duzentos e quarenta e um diferentes candidatos a deputados estaduais caíram no gosto do eleitorado tubaronense. O mais bem votado na cidade conquistou 21,73% dos válidos, porém, não conseguiu uma cadeira na assembleia legislativa. Trata-se do petista Olavio Falchetti, que recebeu 12.433 votos. O ex-prefeito Carlos Stüpp (PSDB), apesar de todas as apostas antes do pleito, também não alcançou uma vaga: ficou em segundo lugar na cidade, com 19,33%, 11.057 votos.

Dos 73.014 eleitores registrados na Cidade Azul, distribuídos em 213 seções, 10.422 (14,27%) não compareceram às urnas ontem. Dos que compareceram, 3.268 (5,22%) votaram em branco e 2.113 (3,38%) anularam o voto para deputado estadual. Somando estes números, chega-se a 16.103 pessoas que desperdiçaram os seus votos. Um total de 3.846 (6,72%) votaram na legenda.
Para deputado federal, 4.308 (6,95%) votaram em branco e 3.248 anularam (5,24%). Um total de 3.526 (6,48%) votaram na legenda.

Para presidente da república, a maioria dos tubaronenses votou em José Serra (PSDB), com 26.596 (40,61%) votos. A segunda colocada foi Dilma Rousseff (PT), com 22.380 (38,52%), seguida por Marina Silva (PV), com 11.108 (19,12%). Os seis demais candidatos à presidência somaram 1.119 (1,75%).

Para governador, assim como o resultado geral em todo o estado, os eleitores de Tubarão mostraram preferência por Raimundo Colombo (DEM), que contabilizou 23.983 (43,74%) votos. Logo em seguida, vêm Angela Amin (PP), com 16.807 (30,65%), e Ideli Salvatti (PT), com 13.739 (25,06%).

Para o senado, Cláudio Vignatti (PT) recebeu a preferência no município, com 21.964 (22,14%). Depois, vêm Luiz Henrique da Silveira (PMDB), com 21.247 (21,42%), e Paulo Bauer (PSDB), com 20.962 (21,13%).

“Acho que alguém votou no meu lugar”

Mesmo com a perna machucada, a auxiliar de cozinha Vera Lucia de Freitas, 39 anos, saiu de casa ontem à tarde disposta a exercer o seu direito de votar. Porém, ao chegar à urna, constatou que o seu comprovante de votação já havia sido entregue a alguém. Desta forma, concluiu: ou entregaram por engano ou uma outra pessoa votou em seu lugar.

Em sua seção eleitoral, a 333ª, da 33ª zona, na Escola Martinho Ghizzo, no bairro Passagem, em Tubarão, votam outras duas Veras. Ambas já haviam passado pelo local. E os comprovantes de votação das três mulheres em questão já estavam devidamente assinados.

Indignada, Vera Lucia procurou a Central de Polícia Civil e registrou um boletim de ocorrência. “Quanta desorganização. Uma outra pessoa pode ter votado no meu lugar. É claro que tem algo errado nisso tudo. O meu voto poderia ter sido decisivo para meus candidatos”, lamenta a tubaronense.