Carolina Carradore
Tubarão

Com o objetivo de se manterem no poder, os políticos que integram a tríplice aliança (PMDB/DEM/PSDB) passam a realizar peregrinações no estado com o intuito de manter a coligação. Ontem, prefeitos dos três partidos reuniram-se no salão nobre da Unisul, em Tubarão. Repetitivos em seus discursos, ninguém provocou uma discussão quanto ao nome que representará a tríplice aliança nas eleições ao governo do estado.

O prefeito de Tubarão, Manoel Bertoncini (PSDB), abriu o encontro e enfatizou o apoio a José Serra para presidente da república, fato unânime entre os políticos. Todos ressaltaram a importância de manter o poder descentralizado e a força política entre a união dos partidos, independente das vaidades partidárias. O prefeito de Palhoça, Ronério Heinderscheidt (PMDB), que encabeça a “Força Municipalista”, lembrou dos R$ 60 milhões investidos na descentralização em sua cidade. “Precisamos realizar uma pesquisa para saber exatamente o candidato que poderá representar a coligação”, sugeriu.

O prefeito de Imbituba, José Roberto Martins (PSBD), ainda levantou o nome do vice-governador Leonel Pavan (PSDB), que teve a imagem fragilizada após ter o nome envolvido em uma investigação da Polícia Federal. “O caso dele foi tratado de forma desproporcional. Nem tudo que foi divulgado foi verdade”, defende. Lideraram também a reunião os prefeitos de Criciúma, Clésio Salvaro (PSDB), de Curitibanos (DEM), Wanderlei Agostini (DEM), o de Capivari de Baixo, Luiz Carlos Brunel Alves (PMDB), e o de Rio do Sul, Milton Hobus (DEM).