Brasília (DF)

Com a morte do candidato Evânio Paulino Feitosa (PR), que concorria à prefeitura de Araguaiana (MT), segunda-feira, 14 candidatos já foram assassinados em cidades brasileiras durante esta campanha eleitoral. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não tem lista oficial de quantos candidatos foram assassinados no país e é contabilizado apenas o número de mortes: até dia 1º de setembro foram 89. A lista, entretanto, não especifica o motivo da morte.

Evânio foi morto quando tentava apartar uma briga na cidade de Barra do Garças. Um homem armado teria ameaçado o sobrinho de Evânio. O candidato tentou interceder e foi baleado no peito e na cabeça. Sábado, o candidato a vereador pelo PR em Saloá, a 225 quilômetros de Recife, Fernando Luiz Soares de Melo, foi morto com um tiro na nuca.

Até agora, cinco candidatos foram assassinados em Pernambuco. Antes, foram mortos o candidato a prefeito de Itaquitinga, o médico Sérgio Ricardo de Souza (PSB), e os candidatos a vereador Lourinaldo Felix Vieira (PTB), de Terezinha, Mozenir Araújo de Sá (PT), de Cabrobó, e Leonardo Alves Marinho (PSDB), de Camutanga.

Dia 3 de setembro, o candidato a vereador em Mesquita (RJ), Gilson Gonçalves de Carvalho (PSDB), foi morto a tiros. Quatro criminosos chegaram em um carro, desceram do veículo e dispararam contra ele.
No Pará, foram registrados dois crimes: o assassinato de um candidato a vereador em Uruará, no oeste do estado, e o do candidato do PMDB a prefeito de Rio Maria, Agemiro Gomes da Silva, executado com um tiro na nuca.

Na Paraíba, são dois casos. Em Curral Velho (PB), o candidato a vice-prefeito Silvino Pereira Gato (PMDB) foi morto a tiros dia 30 de agosto. O candidato a vereador do PSL, Antonio Santana da Silva, foi assassinado na cidade de Mari dia 10.
Em Águas Lindas (GO), o candidato a vereador José Venceslau da Costa (PP) foi assassinado durante um comício. Ele foi morto com um tiro na cabeça enquanto distribuía santinhos da campanha.

Em Bela Vista (MS), o vereador e candidato à reeleição Flávio Roberto Godoy (PDT) foi assassinado quando chegava para um comício. Em Caraguatatuba (SP), o candidato a vereador Cosme Tavares Leite (PDT) foi assassinado quando saía do trabalho.