Brasília (DF)

Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgado ontem indica que 13,8 milhões de brasileiros subiram de faixa social entre 2001 e 2007. Os dados foram definidos a partir dos números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2007, divulgada semana passada.

Desse total, 10,2 milhões saíram da classe de renda baixa (até R$ 545,66 de renda familiar), e 3,6 milhões de pessoas passaram da classe intermediária (de R$ 545,66 a R$ 1.350,82) para a classe de renda mais alta (renda familiar superior a R$ 1.350.82).
O presidente do Ipea, Marcos Pochamann, considera que a população emergente que estava na classe mais baixa tem baixa escolaridade – 57,1% têm até a 4ª série do ensino fundamental e 1% têm nível superior – e está concentrada nas regiões nordeste e sudeste. Moram em centros urbanos 82% dessa população – 62,5% dos emergentes da classe mais baixa para a intermediária são considerados não brancos (pretos, pardos, indígenas e amarelos).

“O que mais chamou a atenção foi a movimentação de pessoas do nível mais baixo para estratos mais elevados. Superou o crescimento da economia e passou a ter mobilidade social que não se via desde os anos 80”, afirmou.