Zahyra Mattar
Tubarão

A polêmica em torno dos prazos para o término das obras de duplicação do trecho sul da BR-101 motivou o Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes (Dnit) a refazer o cronograma. Agora, a obra está dividida em duas fases. A primeira diz respeito os nove lotes de pista e cinco de obras de arte que estão licitados e em execução.

A meta é finalizar os primeiros três até o fim deste ano, outros três até julho de 2010 e os três últimos no fim do próximo ano. Os primeiros a serem totalmente liberados – inclusive com todas as obras de arte (um exemplo são os bueiros e viadutos) – serão o 27 (entre Sangão e Içara), o 30 (Entre São João do Sul até Passo de Torres) e possivelmente o 24 (entre o Rio Araçatuba, em Garopaba, até o trevo norte de Itapirubá, em Imbituba).

Conforme a previsão do Dnit, o contorno de Araranguá e teoricamente o único ponto que será terminado em 2011, ainda no primeiro semestre. Neste trecho, os dois viadutos de 368 metros cada foram trocados por dois quilômetros de pista elevada.
A fase dois é dos três lotes que ficaram fora do licenciamento ambiental feito em 2001. Trata-se da travessia sobre a lagoa de Cabeçudas e a transposição de Laranjeiras, em Laguna, os dois túneis no Morro dos Cavalos, em Palhoça, e o túnel do Morro do Formigão, em Tubarão. Todos estes pontos têm previsão de iniciarem no primeiro semestre do próximo ano e término em 2012.

Protesto pela compensação
ambiental pode fechar a 101

Amanda Menger
Laguna

A compensação pelos impactos ambientais causados pela duplicação da BR-101 sul pode resultar na paralisação da rodovia em Laguna. Isso porque, ao que tudo indica, os recursos serão destinados mesmo a uma Área de Conservação Permanente (ACP) em Lages.

“Segunda, acompanhei o presidente da câmara Deyvisonn de Souza (PMDB) e o vice-prefeito Luiz Fernando Schiefler (PP) na audiência pública que ocorreu na assembleia, em Florianópolis. Falamos da preocupação de Laguna novamente ter o ônus da obra e não receber nada em troca. O impacto é aqui na região, mas o dinheiro vai para Lages, isso é um absurdo”, reclama o vereador Orlando Rodrigues (DEM).
A pauta de reivindicações dos vereadores foi anexada à ata da audiência. “Conversamos também com a senadora Ideli Salvatti (PT), que ficou de nos ajudar, mas ela disse que é difícil reverter a situação”, revela Orlando.

Os vereadores aprovaram a convocação para uma audiência com o superintendente do Ibama e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) no estado. “Ainda não foi marcada a data, mas vamos mobilizar os demais municípios da região para que nos apoiem. Queremos fazer um protesto, no mesmo dia, fechar a estrada, para mostrar que estamos unidos”, sugere o vereador.