Tatiana Dornelles
Tubarão

Mais uma novidade chega no início deste ano aos motociclistas. Entretanto, não é tão boa, pois mexe com o bolso do cidadão. O valor do seguro para Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores Via Terrestre (DPVAT) aumentou de R$ 184,21 para R$ 255,13, quase 40% a mais que o cobrado em 2007. Um dos motivos que levou ao reajuste do seguro foi o elevado número de acidentes de trânsito com motos nos últimos anos.

Segundo o supervisor da Ciretran em Tubarão, Alexsandro da Silva, o número de motocicletas na cidade chega a 12.818. Do total, 4.534 são motonetas (modelo Biz e outras) e cinco são triciclos. “Os dados são atualizados. Além disso, o reajuste só se deu para as motos, devido ao grande aumento de acidentes. Como as despesas, nestes casos, são grandes, foi decidido reajustar o DPVAT em cerca de 40%”, reforça.

O aumento, para a presidenta da Associação das Donas de Casa de Consumidores (Adocon) de Tubarão, Reneuza Borba, é ‘salgado’, mas inevitável para quem tem o veículo. “A moto que não estiver em dia com o DPVAT pode ter problemas com a fiscalização. Uma das formas para não pesar no bolso é guardar R$ 50,00 por mês, pois, quando chegar o mês de acerto, terá o valor para pagar. Isso, infelizmente, não cabe para quem tem que arcar com a despesa nos primeiros meses”, orienta.

O técnico em informática Rangel Domingos Recks, de Tubarão, não sabia do aumento do DPVAT e considera um abuso. “O valor é alto, os motociclistas são obrigados a pagar e várias pessoas nem sabem para que serve o seguro, nem ao menos o utilizam”, avalia.

O dinheiro arrecadado com o imposto vai para o pagamento de indenizações nos casos de morte, invalidez permanente e gastos médicos por causa do acidente. Vale desde fratura generalizada até um dedo quebrado. O seguro só não cobre danos materiais, acidentes fora do território nacional e multas. Nos últimos cinco anos, o aumento do imposto foi de 172%.