São Paulo (SP)

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR) negou nesta sexta-feira que ele ou o seu assessor André Fernandes tenham vazado para a imprensa documentos da Casa Civil com dados sobre gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. “Não, não foi ele, pelo menos ele disse que não”, afirmou o parlamentar em rápida entrevista coletiva no saguão da sala de embarque do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

Segundo Dias, Fernandes afirmou que havia recebido as informações da Casa Civil na semana anterior à publicação dos dados pela revista Veja. O parlamentar contou que solicitou cópia dos documentos e que o assessor pediu sigilo da fonte.

Sobre a atitude de André Fernandes de ter lhe fornecido cópia do material, o senador defendeu o assessor. “(Ele) agiu no estrito cumprimento de seu dever legal. Ao contrário, se ele silenciasse diante de um documento dessa natureza, aí sim ele estaria cometendo, estaria praticando uma infração administrativa”, disse Álvaro Dias, ao acrescentar que a responsabilidade, na sua avaliação, é de quem reuniu os documentos na Casa Civil.

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Cartões Corporativos tentará investigar a informação de que o secretário de Controle Interno da Casa Civil, José Aparecido Pires, teria encaminhado o dossiê ao senador e ao seu assessor.

Para o presidente do senado, Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), o caso precisa ser investigado. “Agora que surgiu esse fato, ele merece ser apurado com todo o rigor”, disse. “A CPI está aí para apurar as coisas. Se ela não apurar, a PF tem de apurar, o governo tem que mandar apurar”, completou.