O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi absolvido nesta quarta-feira, 5, no processo de impeachment contra ele no Senado americano.

O Senado o absolveu da acusação de abuso de poder, por 48 votos a favor de sua condenação e 52 contra. Já na votação por obstrução do Congresso o presidente foi absolvido por 47 votos a favor e 53 contra.

O resultado já era esperado, já que os republicados têm maioria no Senado e já haviam deixado claro que inocentariam o presidente. O único senador a votar contra Trump foi Mitt Romney, na decisão sobre a acusação de abuso de poder.

Mais cedo nesta quarta, o presidente democrata do Comitê Judiciário da Câmara dos Deputados, Jerry Nadler, afirmou que a Câmara “provavelmente” convocará o ex-assessor de Segurança Nacional da Casa Branca John Bolton para depor sobre possíveis irregularidades cometidas por Trump, mesmo após o término do processo de impeachment contra o presidente.

Bolton mostrou disposição para depor ao Congresso americano caso fosse convocado pelo Senado durante a última fase do julgamento de Trump. Os senadores, contudo, decidiram não intimar novas testemunhas.

Bolton se tornou uma figura central no julgamento de Trump, desde que trechos do manuscrito do seu ainda não publicado livro vazaram na imprensa americana. Nos fragmentos, o ex-assessor confirma que o presidente queria congelar uma ajuda militar de 391 milhões de dólares à Ucrânia até que Kiev abrisse uma investigação sobre Joe Biden, um dos democratas favoritos para disputar a reeleição contra o atual mandatário em novembro.