Laguna

Para tornar a gestão escolar mais participativa, as escolas municipais de Laguna terão a partir deste ano eleição direta para diretores e vice-diretores. A lei ordinária 1.897 já foi publicada no Diário Oficial.

A votação será realizada no último sábado do mês de novembro, das 8 às 16 horas, e o processo terá acompanhamento de uma comissão eleitoral. Os vencedores no pleito terão mandato de quatro anos.

Somente os servidores públicos efetivos do quadro da secretaria de Educação poderão concorrer. A candidatura deverá ser baseada no projeto pedagógico apresentado pelo candidato ao cargo. O processo segue o mesmo modelo adotado pelo Estado de Santa Catarina.

Com a medida, acabam as indicações políticas para a chefia das escolas e o município evita que professores e alunos sejam pegos de surpresa com a troca de diretores, como a que ocorreu na última segunda-feira na Escola de Educação Básica Doutor Armando Calil Bulos, na localidade de Estreito.

Até então, a professora Maria Gabriela Amaral estava à frente da escola desde pouco mais de três anos atrás. Foi quando outra profissional chegou à escola, apresentando-se como nova diretora. No fim da mesma segunda-feira, Maria recebeu a ligação do setor de Recursos Humanos confirmando sua exoneração.

A ex-diretora, hoje desempregada, diz que só esperava sair em novembro, com a eleição direta. Agora, ela e um grupo de pais e professores tentam reverter a decisão. “Estamos fazendo abaixo-assinado e já conversamos com o prefeito. A nossa esperança é que ele não assine a portaria da exoneração. Vamos continuar correndo atrás”, diz.

De acordo com a secretária de Educação, Karmensita da Rocha Cardoso, a troca ocorreu por interferência partidária. “A diretora fazia um bom trabalho, mas por questões políticas, ainda muito fortes na região, acabaram fazendo a troca. Mas isso deve mudar com a eleição direta”, afirma.