“Diarista Gato” pede respeito e denuncia assédio de patroas

O sucesso nas redes atraiu muitos clientes bem intencionados e outros nem tanto. No dia a dia, Gautyelle percebeu que era alvo de olhares e comentários maldosos, e começou a se sentir incomodado com algumas situações

Gautyelle Machado, de 32 anos, é diarista e acabou se deparando com um problema pelo qual passam muitas mulheres: o assédio sexual. O maranhense, que hoje mora em São Paulo, tem uma filha de 11 anos e decidiu trabalhar com limpeza e organização de residências depois de ficar desempregado na pandemia. Após divulgar o trabalho nas redes sociais, ficou conhecido como ‘Diarista Gato’.

O sucesso nas redes atraiu muitos clientes bem intencionados e outros nem tanto. No dia a dia, Gautyelle percebeu que era alvo de olhares e comentários maldosos, e começou a se sentir incomodado com algumas situações.

“Recebi muitas ligações de mulheres pedindo para mim fazer faxina à noite, perguntando quanto eu cobraria na minha faxina e quanto eu cobraria em um serviço extra. Eu perguntei qual o serviço extra, ‘por exemplo sair comigo’, essas coisas elas mexem muito com a gente”. desabafou Gautyelle.

Nas redes sociais, os comentários também são desrespeitosos. “Amiga, nós estávamos comentando hoje que precisava de alguém para arrumar nossa cama kkkkk”, comentou uma internauta. No post, o diarista resolveu responder ao comentário: “Engraçado né moça, se fosse no caso eu mesmo fazendo esse tipo de comentário, vc e muitas mulheres estavam me crucificando, mas como sou homem, pra vc é normal”, escreveu.

Em outro caso, uma pessoa o contratou para fazer a limpeza e quando ele avisou que o trabalho estava concluído, foi surpreendido com a resposta “Concluído nada, faltou beijo hahahaha”. Gautyelle contou que, depois dos assédios, ele não volta mais a atender esse tipo de cliente, mas que gostaria de ser respeitado enquanto exerce seu trabalho.

*Com informações do portal R7