Tubarão

Atualmente, de acordo com dados do Ministério da Saúde, 56% da população brasileira está acima do peso e 20% já apresenta obesidade. Este número aumentou em cerca de quatro vezes nos últimos 30 anos. O ganho de peso ocorre pelos mais variados motivos: piora dos hábitos alimentares, sedentarismo, diminuição das horas de sono, genética e até poluição ambiental.

Neste ano, o Dia Mundial da Obesidade 2020 ocorre nesta quarta-feira 4 de março, com foco na mudança global dos fatores que envolvem a obesidade, data escolhida pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e o Departamento de Obesidade do World Obesity Federation. Entre os pontos destacados pela campanha estão a ‘tolerância zero’ para o estigma do peso, entre outros.

“Obesidade é uma doença crônica, caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, que causa prejuízos à saúde e precisa de controle e tratamento“, alerta a endocrinologista do Complexo Médico Pró-Vida, Dra. Camila Campos.

A médica destaca também, que não há dúvida que a população compreende que ‘comer menos’ e ‘fazer mais atividade física’ promove perda de peso, o que a maior parte não tem conhecimento é que a adaptação metabólica que ocorre, após um emagrecimento inicial acaba dificultando o processo de perda de peso. Para a maior parte dos pacientes, corrigir essa adaptação metabólica é fundamental para otimizar os resultados. Somente ‘pensamento positivo e foco’ vão ser falhos para a maioria das pessoas e não se pode julgá-las por isso.

“Temos que ter em mente que tratar obesidade não é tratar um problema estético e sim, uma doença metabólica que aumenta o risco cardiovascular e diminuiu expectativa de vida”, alerta a endocrinologista.

Oscilações de peso ao longo do tratamento são comuns e não são considerados fracassos.
Não existe fórmula mágica, muito cuidado com aquele comprimido milagroso da internet ou aquele tratamento estético revolucionário. Tratar a obesidade é complexo e requer acompanhamento especializado.

Obesidade em crianças

Dados do Sistema de Vigilância Nutricional apontam que aproximadamente 30% das crianças e adolescentes brasileiros de 5 a 19 anos estão com excesso de peso.  Essa alta prevalência de peso, entre crianças e adolescentes, resulta em uma maior ocorrência de problemas de saúde não somente na vida adulta, mas também em crianças, que incluem hipertensão arterial sistêmica, aterosclerose precoce, diabetes mellitus tipo 2 e distúrbios do sono.

“É importante ter em mente que a obesidade deve ser tratada de forma adequada, num esforço conjunto de vários profissionais e do apoio da família. Medidas aparentemente simples, que têm impacto comprovado para toda a vida são: aleitamento materno exclusivo até os seis meses, introdução alimentar adequada, não oferecer alimentos processados e ultraprocessados, bem como açúcar para a criança pelo menos até os 2 anos de vida e estimular estilo de vida ativa, com redução do tempo em celular e tablet, farão muita diferença na vida adulta”, alerta a pediatra da Pró-Vida, Dra. Ana Carolina Cancelier.

Centro Médico de Emagrecimento

Para auxiliar nessa tarefa, o Centro de Endocrinologia e Metabologia do Complexo Médico Pró-Vida, em Tubarão, criou o Centro Médico de Emagrecimento. Programa que oferece aos clientes tratamento médico especializado e equipe multidisciplinar de referência na região. Disponibiliza uma grande estrutura tecnológica, com controles de processos e resultados.

Realiza também acompanhamento minucioso, individual, com consultas periódicas e monitoramentos. O programa é dividido em pacotes semanais, conforme a necessidade do cliente, definido na primeira consulta com o especialista. Informações sobre o funcionamento do projeto devem ser direcionadas para o Centro de Endocrinologia e Metabologia da clínica, localizado no 3º andar, do Edifício Medical Center.