Os pediatras Arary Cardoso Bittencourt (direita) e Evandro Thomsem Antunes (esquerda) falam sobre os desafios da profissão.
Os pediatras Arary Cardoso Bittencourt (direita) e Evandro Thomsem Antunes (esquerda) falam sobre os desafios da profissão.

Tubarão

Eles trazem vidas ao mundo e estão sempre a serviço da saúde. Não medem esforços para promover o bem-estar físico, mental e social. São profissionais imprescindíveis. Capacitados para prevenir, diagnosticar e tratar as doenças, os doutores merecem muitos aplausos.

No dia do médico, celebrado hoje, há muito a comemorar. Afinal, os avanços tecnológicos constantes, novos materiais, medicamentos e exames proporcionam tratamentos eficientes, obtendo prevenção ou cura de doenças antes consideradas irremediáveis.

Os médicos tubaronenses Arary Cardoso Bittencourt e Evandro Thomsem Antunes têm em comum, além de serem pediatras, o amor pela profissão e a dedicação. Formado pela Universidade Federal do Paraná em 1962, Arary, 75 anos, vê como principal desafio a comunicação. Para ele, o médico deve criar empatia com o paciente. “A confiança no trabalho que desempenhamos é resultado da empatia. Nesse sentido, o respeito ao paciente é componente indispensável. Um inconveniente é o curto tempo que temos em uma consulta para conversar”, analisa Arary.

Já Evandro Thomsen Antunes, 43, tem menos tempo de ‘estrada’, é formado desde 1992, pela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc). Para ele, além das epidemias, das novas doenças e dos vírus, o médico tem o desafio do mercado de trabalho. “Na atualidade, cada vez mais, os novos médicos precisam receber uma sólida formação humanística, a fim de fortalecer o laço médico-paciente”, destaca Evandro.

História
O dia 18 de outubro foi escolhido como Dia do Médico por ser o dia consagrado pela igreja a São Lucas. Lucas foi um dos quatro evangelistas do Novo Testamento.
Lucas não conviveu pessoalmente com Jesus e por isso a sua narrativa é baseada em depoimentos de pessoas que testemunharam a vida e a morte de Jesus. Também é autor do “Ato dos Apóstolos”.

Segundo a tradição, Lucas era médico, além de pintor, músico e historiador, e estudou medicina em Antióquia. A escolha de São Lucas como patrono dos médicos é comum a muitos países.