#Pracegover Foto: na imagem há um idoso e um jovem
#Pracegover Foto: na imagem há um idoso e um jovem

Há aproximadamente 145 anos, os primeiros imigrantes deixavam a Itália em direção Brasil. O objetivo era pela busca de uma vida mais promissora em terras da América do Sul. No país Europeu as dificuldades eram inúmeras e viver no Brasil era a esperança de dias melhorias.

Conforme o museólogo e pesquisador, Idemar Ghizzo, a trajetória da imigração italiana é pensada com as Leis de Terras de 1850, onde instituiu a finalidade de estabelecer colônias em várias partes do território brasileiro. Juntamente com o Regulamento para as Colônias houve facilidades na importação de Imigrantes para ocuparem as terras ‘ditas’ como desocupadas pelos governos. Cabia à Comissão de Terras a missão de organizar a primeira colônia do governo e a vinda dos imigrantes.

Em 1867 foi aprovado o Regulamento para as Colônias do Estado, com isso houve um incentivo para incrementar a política imigratória para o Brasil, mirando nas populações camponesas do norte da Itália, para que viessem a América para trabalharem nessas terras. “O que incentivou a vinda dos imigrantes foi a crise econômica, política e social que parte da Europa estava vivenciando. Amparados pelas propagandas e os recrutadores que faziam dessas terras um paraíso para viverem, que muitos deixaram a sua pátria e partiram em busca de seus sonhos”, explica.

Ele conta que as Colônias de Imigrantes no Sul de Santa Catarina, possuem suas histórias bem parecidas, com um cunho comercial, onde uma propaganda iludida incentivava a sua vinda, largados em terras já ocupadas pelos povos indígenas. Existiam a colonização espontânea e oficiais, foi nessa proposta que em 1877 chegam os primeiros grupos de imigrantes para a Colônia no Sul de Santa Catarina a Colônia de Azambuja, hoje pertencente ao município de Pedras Grandes. Esse primeiro grupo de imigrantes eram da região norte da Itália.

Da Colônia de Azambuja os imigrantes que chegavam eram redistribuídos para outros Núcleos Colônias, hoje os municípios de Urussanga, Treze de Maio, Cocal do Sul, Criciúma espalhados em toda a região. “Houve um aumento nos números de imigrantes com implantação de outras Colônias privadas, por exemplo, a Colônia de Grão-Pará implantada em 1882 e por último na região Sul de Santa Catarina, já na república a Colônia de Nova Veneza”, observa.

A Imigração que chegou na região Sul catarinense partiu de portos franceses e italianos. Com a colaboração dos governos e acionistas houve milhares de imigrantes que chegaram com a sua vontade e também, com seus contratos para pagarem, como o de locação, pelos preços das terras, valores das casas, alimentações e outros auxílios que porventura recebiam. Ainda paira dúvidas sobre a imigração e os imigrantes, muitos episódios históricos faltam ser elucidados.

Houve mudanças com a vinda desses imigrantes, não só os italianos que estão são homenageados neste domingo (21), por meio de seu trabalho, de sua cultura, culinária, danças entre outros atributos, mas também pelas mudanças provocadas pelos diferentes povos. “A imigração ainda continua, vivenciamos atualmente a imigração de outras etnias que buscam também seus sonhos e vida melhores para sobreviverem em nosso país”, finaliza.

O Dia do Imigrante Italiano, foi instituído em 2008 para homenagear o maior movimento migratório internacional da história do país. Essa data foi escolhida para relembrar a chegada em Vitória (ES) do navio La Sofia, em 21 de fevereiro de 1874, dia que ficou marcado simbolicamente como o início do processo de migração em massa de italianos para o Brasil.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul