Tatiana Dornelles
Tubarão

A água é um líquido essencial para a sobrevivência humana. Dos copos d’água consumidos até a higiene pessoal, todos os dias, incontáveis litros são utilizados pela população. Contudo, a água potável pode acabar no futuro e, para evitar que as próximas gerações fiquem sem uma gota sequer do líquido, ações devem ser colocadas em prática desde já. E por todos!
Os ‘inimigos’ da economia dentro de casa são os banhos demorados, os vazamentos internos, as torneiras abertas por muito tempo, a lavação de carros e calçadas com mangueiras ou jatos, por exemplo.

“Tem várias ações que podem ser realizadas para evitar o desperdício do líquido, como ficar menos tempo no banho, escovar os dentes ou fazer a barba com a torneira fechada, evitar lavar carros e calçadas, assim como regar plantas, com mangueiras. São pequenos os atos, mas auxiliam bastante”, orienta o engenheiro civil e assessor operacional do Fundo Municipal de Água e Saneamento (Fundasa), Marcelo Fernandes Matos.

Segundo ele, a medição individual é algo que, ultimamente, tem ganhado espaço. “Com o hidrômetro individual, as pessoas aprendem a economizar água, pois há como controlar o gasto. Vários prédios já apostam na medição individual, o que antes não era muito comum. Além disso, é importante fazer uma revisão no sistema hidráulico, já que podem surgir vazamentos ocultos”, orienta Marcelo.

Mas a população não deve ficar ‘de olho’ apenas nos vazamentos e desperdícios dentro de casa. Quando for verificado qualquer problema nas ruas, como vazamentos, o correto é entrar em contato com a empresa que faz o abastecimento. “Uma equipe vai ao local e verifica o que está errado. As pessoas devem ficar atentas a estes problemas, porque também são formas de desperdício de água”, acrescenta.