A campanha Dezembro Laranja, organizada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) em 2021, conjuga prevenção à Covid-19 e cuidados para reduzir os casos de câncer de pele. No primeiro verão que se apresenta em um cenário mais controlado de pandemia, a expectativa é de que as praias e piscinas voltem a ser ocupadas com muito mais intensidade pelos banhistas. Além dos cuidados fundamentais, que ainda precisam ser colocados em prática para evitar a disseminação do novo coronavírus, os dermatologistas se valem da mensagem central da campanha da SBD, “Adicione mais fator de proteção ao seu verão”, para alertar sobre a perigosa relação entre exposição solar e tumores cancerígenos.

O Dezembro Laranja, na edição 2021, contempla o uso de máscara, a manutenção do distanciamento, as não aglomerações e, principalmente, a vacinação em todas as etapas contra a Covid-19 tanto para quem frequenta locais fechados, como bares e restaurantes, quanto para os que vão às praias e piscinas neste verão. Somando-se os esforços para o controle da pandemia, a SBD destaca na campanha as ações de prevenção contra o câncer de pele.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), no triênio 2020-2022 a estimativa é de 177 mil novos casos de câncer de pele não melanoma no Brasil. “Este tipo de câncer é o mais frequente e representa 30% de todos os tumores malignos registrados no País”, afirma a médica Anelise Dutra. A dermatologista destaca que, se diagnosticado e tratado precocemente, apresenta percentuais de cura em até 90% dos casos.

A incidência dos raios solares tem uma relação muito estreita com o câncer de pele não melanoma. “As pessoas que se expõem ao sol por longos períodos, especialmente aquelas de pele, cabelos e olhos claros, constituem o grupo de maior risco de ter este tipo de tumor”, avalia o dermatologista Dário Rosa.

A infância é uma fase particularmente vulnerável aos efeitos nocivos do sol. “A exposição cumulativa aos raios solares durante os primeiros 10 ou 20 anos de vida potencializa os riscos de câncer de pele na fase adulta e mesmo na velhice”, completa o médico.

Prevenção é a palavra-chave para reverter as estimativas de câncer de pele no Brasil. “Por isso, o tema da campanha Dezembro Laranja deste ano é tão assertivo”, observa Anelise. Segundo a médica, a aplicação de filtros adequados a cada tipo de pele e com Fator de Proteção Solar (FPS) ajustado aos horários e às condições de exposição ao sol é fundamental para minimizar as chances de um diagnóstico de câncer de pele.

Com um dos maiores índices de radiação solar do mundo, o Brasil é também o país em que a aplicação de fotoprotetores contra os efeitos nocivos dos raios UVA e UVB está longe de ser um hábito diário. “No consultório, 90% dos pacientes relatam não utilizar ou usar incorretamente os filtros solares”, diz Anelise Dutra. “Neste grupo, os homens são maioria”, completa Dário Rosa.

Os dermatologistas concordam que além dos fotoprotetores é necessário incluir nas medidas de proteção diárias o uso de roupas, chapéus e bonés, óculos de sol e outros acessórios que limitem a incidência dos raios solares sobre a pele.

Sempre que possível, é recomendável também uma consulta aos canais de meteorologia disponíveis com atualizações frequentes na internet. De acordo com Anelise, um dia com previsão de mais ou menos calor e incidência solar define os cuidados que se deve ter com a pele.

O dermatologista Dário Rosa destaca ainda que a saúde da pele não pode se limitar à aplicação de fotoprotetores e resguardo do sol. “Hidratação e alimentação equilibrada também são fundamentais e merecem muita atenção”, afirma.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: MXP Comunicação