Tubarão

A Unisul é a segunda universidade mais inovadora do Sul do Brasil entre as universidades que integram as 400 empresas pesquisadas pela Revista Amanhã, através do IXL – Center de Cambridge, dos Estados Unidos. Em Santa Catarina, a Unisul lidera o ranking, investindo parte do seu orçamento em treinamento e capacitação em criatividade e inovação. A pesquisa abrangeu o Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina.

O reitor da Unisul, professor Mauri Luiz Heerdt destacou que o espírito de inovação não é mais segredo de organizações, mas, sobretudo, necessidade e obrigação para sobreviver às transformações permanentes.  “As organizações, principalmente as universidades, têm que ser fontes de criatividade e inovação, sob pena de ficarem a reboque das organizações que já estão liderando o ranking mundial. As instituições de ensino precisam viver, sentir e estar à frente das mudanças”, explicou.

A categoria “Ensino & Pesquisa” é nova nas pesquisas que a Revista Amanhã, 30 anos, de Porto Alegre, realiza todos os anos. As empresas campeãs serão premiadas em um evento programado para o próximo dia 16 de abril, no Parque Tecnológico da Unisinos, em São Leopoldo. Entre as empresas industriais, a catarinense Embraco foi a campeã, enquanto o terceiro lugar é da Intelbrás, de São José e o quarto da Portobello, de Tijucas. A PUC/RS liderou o ranking das universidades do Sul do Brasil.

Foram 400 organizações que tiveram acesso ao teste que deu origem a uma lista das 50 empresas mais inovadoras da região Sul brasileira. Os questionários foram processados na Central do IXL-Center, nos Estados Unidos. A metodologia de avaliação da pesquisa é a ferramenta Innovation Management Institute, do GIMI – Global Innovation Management Institute, organização global sem fins lucrativos, criada por executivos, acadêmicos e consultores especializados em inovação.

Mauri ressalta que a premiação corresponde ao esforço da Unisul em investir na inovação. “Estamos há muito tempo vivendo as mudanças, investindo em projetos e na competência de nossos pesquisadores, docentes e alunos. Eu diria que esse prêmio é um reconhecimento. Não somos apenas formadores de recursos humanos especializados. Nossos egressos estão espalhados por todo o Brasil e em outros países, ocupando espaços e lideranças nesta revolução permanente em que o mundo está submetido. Não foi sem motivo que a Unisul alcançou a nota máxima – 5 – do MEC. Os avanços se caracterizam justamente pela participação da nossa Universidade no desenvolvimento social e econômico da região e do Brasil”, pontuou.

Para o reitor, o papel social da Unisul também é recheado de inovação. “Nossos ambulatórios, nossa presença em hospitais, nos centros desportivos, laboratórios de psicologia, nutrição, de direito e tantos outros dão sustentação ao esforço de participar das soluções sociais.
Se a Unisul encerrasse suas atividades, através do Sul, no Sul e Grande Florianópolis, centenas de pessoas deixariam de ser atendidas diariamente na área da saúde, por meio dos seus ambulatórios, que prestam atendimentos gratuitos a toda a população. Em 2018, por exemplo, foram mais de 10 mil pessoas assistidas por mês.

UNISUL SOLUÇÕES

O espírito de criatividade e inovação que se dissemina na Universidade estimulou a criação do projeto Unisul Soluções, voltado a buscar respostas ao desenvolvimento de três principais áreas: inovação e serviços tecnológicos industriais, serviços e tecnologias industriais e gestão, desenvolvimento e negócios.

O diretor da Agetec – Agência de Inovação e Empreendedorismo da Unisul -, professor Paulo Boff, explica que ‘a solução para um problema sempre é complexa e depende de mais de uma interface de conhecimento. “Por meio da Unisul Soluções criamos uma estratégia para prestar serviços ao setor produtivo, governo e ao terceiro setor. Estamos empacotando soluções: o conhecimento que temos na Universidade se transforma em soluções para problemas da sociedade” , informou.

Mauri disse que a Unisul está no momento elaborando o seu novo PDI – Plano de Desenvolvimento Institucional – que reforça esse espírito de inovação e empreendedorismo nos próximos cinco anos em todos os setores da Universidade. “A inquietação acadêmica direciona-se justamente neste sentido, de estar sempre em busca do novo, do empreendimento capaz de ajudar a sociedade” , conclui.