O pedido do advogado Diogo Pitsica para que o desembargador federal Leandro Paulsen, do TRF-4 revogue a decisão de afastar o prefeito Gean Loureiro do cargo por 30 dias, foi despachado pelo magistrado. Ele deu 72 horas para ouvir Polícia Federal e Ministério Público Federal antes de julgar o pedido da defesa. Pitsica alega que não há motivos para manter o afastamento, já que o prefeito teria elucidado os dois fatos determinantes para o pedido da Polícia Federal.

Citou, segundo a assessoria do prefeito, os fatos dos depoimentos:

“1. Que a Prefeitura teria uma “sala segura”. A visita dos agentes federais na administração municipal comprovou que nada havia relacionado a uma sala com tecnologia de contrainteligência.

2. Que o permanência de Gean como prefeito poderia de alguma forma atrapalhar as investigações. Sobre esta tese, a defesa do prefeito utiliza da própria manifestação do delegado que liberou-o: “maneira satisfatória e produtiva à investigação, bem como foram finalizadas as diligências iniciais da fase ostensiva da operação.” e já, considerou que “a soltura do investigado não prejudicará as investigações”.”

A defesa tenta agora agilidade dos dois órgãos para se manifestarem na maior brevidade possível, antes das 72h estipuladas, “para que o município possa voltar a normalidade com o seu mandatário eleito pela maioria da população, já que foi comprovado que não há qualquer participação do prefeito no caso envolvendo vazamentos de informações de dentro da Polícia Federal.”