##Pracegover Foto: na imagem há uma mulher com roupa em tom vermelho e branco
##Pracegover Foto: na imagem há uma mulher com roupa em tom vermelho e branco

Se há alguns anos a gravidez aos 40 anos era considerada tardia e, até mesmo, de muito risco, atualmente, podemos presenciar, mulheres que estão nesta faixa etária e que sonham ter o primeiro filho, o segundo ou ainda, o terceiro, por exemplo. Além da quebra desse tabu, a evolução da medicina possibilita uma gestação natural e sadia para quem engravidou ou deseja engravidar durante essa fase da vida.

Em Tubarão, Sandra Regina Grassi foi mãe pela terceira vez aos 46 anos, no último dia 21. Ela conta que o pequeno Levi Bittencourt não foi planejado. Ele foi uma surpresa para toda a família. “Tive a minha filha, a Sara Regina Paes com 28 anos e aos 39, fui mãe do meu segundo filho Davi Bitencourt. O Levi chegou de surpresa e nos trouxe uma grande renovação. Os planos de Deus são melhores que os nossos”, comemora Sandra ao lado do esposo Mario César Marques Bitencourt, de 52 anos.

De acordo com a médica ginecologista da Provida, Graziela Porto, aos 40 anos é conveniente saber, mais do que nunca, o ponto de vista físico e biológico e quais são as condições de cada mulher, no momento de tomar a decisão de engravidar. “É possível a mulher engravidar após aos 40, mas diminui a fertilidade. É importante, antes dessa mulher engravidar que ela procure o ginecologista, faça todos os exames, as vacinas estejam em dia. Que ela tenha iniciado os polivitamínicos, o ácido fólico e o ômega para prevenir problemas no bebê e os defeitos de fechamento tipo neural que são, a hidrocefalia, a melingoceli e anencefalia”, explica.

Ela pontua que no caso das mulheres com mais de 35 anos, é preciso ter atenção redobrada com alguns pontos como predisposição a diabetes e pressão arterial mais elevada. “A partir dos 35 anos vai aumentando o risco de mau formação cromossômicas. Acima dos 45 anos, esse risco é de 2%. A gravidez acima dos 40 anos é considerada de risco, porque essa mulher ter mais probabilidade de ter doenças crônicas como hipertensão, diabetes e também de desenvolver durante a gestação a doença hipertensiva específica da gestação que é a pré- eclampsia e a eclampsia e risco de diabetes gestacional”, detalha.

Conforme a profissional, os processo de fertilização invitro e inseminação artificial são mais comuns a partir dos 40 anos. ” A forma de tornar mais segura essa gestação é a mulher ter uma vida saudável, ter uma alimentação regrada, fazer atividade física, se manter saudável. Isso é muito importante para essa mulher”, finaliza.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul