Aos 9 anos, Vinícius Hoffman Pacheco, de Lauro Müller, já tem uma ampla noção de cidadania. Questões de respeito ao próximo e ao meio em que vive fazem parte de sua educação. Ele também teve a oportunidade de conhecer o Fórum da Comarca do município e toda atuação de uma instituição que muitos conhecem em partes – o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). 

O pequeno estudante é um dos participantes do programa “Cultivando Atitudes” desenvolvido pelo MPSC em parceria com a secretaria de educação municipal. “Aprendi a respeitar, não jogar lixo no chão, não fazer bullying, e muitas outras coisas. Achei bem legal. Aprendi a ser uma pessoa melhor e a respeitar”, conta o aluno da 4º ano do ensino fundamental – fase escolhida para interação com o órgão público. 

O programa inédito em Lauro Müller iniciou no fim do ano passado com todas as escolas da rede municipal de ensino. O projeto foi minuciosamente formatado para que os promotores de Justiça possam interagir com as crianças e adolescentes, em sala de aula, por meio de dinâmicas em grupo, com a promoção de debates que discutam os problemas sociais repassando aos alunos noções de cidadania e informações sobre o Ministério Público. 

O promotor de Justiça tem o papel de ser amigo da turma, mostrando que boas atitudes incentivam a construir uma sociedade com menos injustiças e com mais valorização do ser humano. Na cidade, o projeto é desenvolvido pela promotora de justiça da Comarca de Lauro Müller, Larissa Zomer Lolli. Ela explica que o objetivo é ampliar o diálogo com a sociedade e apresentar o real papel do Ministério Público. 

A promotora ressalta que muitos cidadãos nunca entraram em um Fórum e enxergam o órgão como algo distante e “acusador”.  “O Ministério Público trabalha esse ‘quebra gelo’ com a sociedade. Muitos não sabem qual o papel do órgão. Só tem a visão do promotor criminal, que faz o papel da acusação. Porém, o MP vai muito além disso. Atua em várias áreas pertinentes à sociedade. Nosso objetivo é ampliar a parceria com a sociedade e preparar as crianças que são o futuro para serem multiplicadores de atitudes positivas que contribuam com o desenvolvimento de todos”, explica a promotora.

Para a secretária de Educação de Lauro Müller, Heloisa Gonçalves Ribeiro Fontanella, o projeto agrega conhecimento e orientação às crianças. “Esse projeto ajudou muito as crianças e a escola como um todo. A gente não tinha esse entendimento de como o Ministério Público trabalhava. Fomos criados com medo do Fórum, mas agora vemos que não é assim. Ele está aqui para ajudar. Não devemos ter medo e sim parcerias, conversar, perguntar, discutir” avalia a secretária.

Visitas e material didático

No Projeto Cultivando Atitudes, os promotores de justiça dialogam com os alunos e professores temas bem relevantes sobre a sociedade atual como: crimes ambientais, tráfico de drogas, falta de acesso à saúde e sonegação de impostos. Dentro dessa dinâmica de sala de aula é fornecido um material didático contendo uma mochila ecológica, marca páginas com mensagem do projeto, fôlderes que explicam as atividades do MPSC, um estojo e um lápis com semente. Nos vários modelos de lápis sementes estão impressas frases de incentivo à cidadania. Na ponta, sementes de plantas frutíferas que podem ser plantadas pelos alunos depois que o lápis acabar. 

Durante o programa, as crianças têm a oportunidade de conhecer o Fórum e ouvir as palestras da promotora que trata de vários assuntos sociais. “As crianças vêm até o Fórum de Lauro Müller para conhecer e ter essa noção do que é o MP. Passamos informações sobre o que o Ministério Público zela, quando procurar a instituição e quais assuntos são inerentes as nossas funções”, destaca Zomer.

Projeto segue na Comarca

Segundo a promotora o programa deve continuar nos próximos anos já que a iniciativa foi positiva. “Ano passado foi realizado em duas escolas e esse ano conseguimos contemplar toda a rede municipal. Eles recebem os kits e são multiplicadores dessas ideias. É um projeto que deu certo e que vem sendo bem difundido e será realizado nos próximos anos”, projeta Larissa.