Zahyra Mattar
Tubarão

Neste domingo, uma das pessoas mais importantes da vida de qualquer ser humano será homenageada: a mãe. E elas merecem mesmo ser lembradas, mimadas e receber aquele presente que tanto querem. Mas, em tempos de crise, os filhos, maridos, namorados e companheiros devem tomar cuidado com a empolgação momentânea frente a tantas ofertas e facilidades de pagamento para o presente da mãe não se tornar a dívida do ano ou o carnê vilão do orçamento doméstico.

Palavra de mãe: “Por mais que as mães mereçam, com certeza, elas não desejam que seus filhos e maridos fiquem endividados em função de presentes”, garante a cidadã Marlize Dal Bó de Oliveira, de Tubarão. Além de receber presentes, Marlize também comprará um mimo para sua mãe. “Nem que seja uma flor de algum quintal. Nunca deixo a data passar em branco. Mas nada de dívidas. Estamos no meio do ano ainda”, lembra a mãe.

Um almoço feito pelos filhos e companheiro ou flores com um cartão feito pela família já são formas de não deixar a data passar batida e toda mãe adora. “Mãe gosta mesmo é de ser lembrada, não importa o que vem no pacote”, assume a presidenta da Associação das Donas de Casa e Consumidores (Adocon) de Tubarão e mãe Reneuza Marinho Borba. Mas, para quem não abre mão de um presente, as dicas da presidenta vêm em boa hora.

A primeira é analisar o que e onde vai comprar e como o mimo será pago. “Pesquisei em três lugares diferentes e paguei à vista para poder pechinchar um desconto melhor”, explica Bruno Damiani Vechi, que já garantiu um presente para a sua mãe. O exemplo dele deve ser seguido, indica Reneuza.

“À vista, é sempre mais vantagem, porque ainda é possível barganhar um desconto. Caso não seja possível, o mais indicado é o cheque pré-datado ou o carnê. Porém, atenção: no próximo mês, haverá este compromisso. O menos indicado é o parcelamento no cartão de crédito. Os juros são absurdos e qualquer atraso gera um valor muito superior ao contratado”, ensina Reneuza.

Cuidado com o IPI
Muita atenção para as propagandas de desconto de IPI na linha branca de eletrodomésticos. “Tem que pesquisar. Os preços são muito diferentes de uma loja para outra. Além disso, os filhos devem observar se há necessidade da compra e se a mãe vai mesmo gostar de receber um utensílio doméstico como presente”, alerta a presidenta da Associação das Donas de Casa e Consumidores (Adocon) de Tubarão, Reneuza Marinho Borba.