São Paulo (SP)

O pacote do governo americano para enfrentar a crise de crédito salvou o que prometia ser uma semana “maldita” para o mercado financeiro mundial. Acompanhando o entusiasmo nas bolsas internacionais, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) teve a sua maior valorização em um só dia desde janeiro de 1999, quase anulando as perdas do mês. O câmbio despencou mais de 5%.

O termômetro dos negócios da Bolsa, o Ibovespa, avançou 9,57% no fechamento e atingiu os 53.055 pontos. O giro financeiro foi alto, de R$ 7,67 bilhões, ante uma média de R$ 5 bilhões/dia deste ano. No entanto, mesmo com ganhos desta sexta-feira, a Bolsa ainda amarga perdas de 4,7% no mês. No ano, a baixa é de 16,95%.

O dólar comercial foi cotado a R$ 1,831 na venda, em declínio de 5,12%. A taxa de risco-país recuou quase 15%, para os 278 pontos. Segundo operadores, os leilões de venda de dólares realizados também foram importantes para acalmar o mercado de câmbio em um dia bastante turbulento, em que o preço da moeda teve um tombo histórico.

Banco Central
O Banco Central realizou nesta sexta-feira dois leilões para vender US$ 500 milhões das reservas internacionais, com o compromisso de recompra futura.
A última vez em que o Banco Central vendeu dólares foi em 2003, quando havia o temor entre os investidores de que a política econômica fosse mudada com o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).