Se existe uma profissão que nunca foi tão importante, indispensável e valorizada – não que antes não fosse assim – é a dos profissionais de Saúde. Porém, após o surgimento da Covid-19, a classe teve que assumir o controle da triste situação que abalou o mundo.

São pessoas que se enquadram nos grupos de risco, mas a responsabilidade aumenta muito mais. Duplamente… É como ‘dar a cara pra bater’! Mas nada como a coragem e a dedicação para evitarem o tapa e, assim, que outras pessoas também não saíam ‘machucadas’.

“Os cuidados têm que ser redobrados no uso dos Equipamentos de Proteção Individual, os EPIs, pois estamos bem expostos a essa contaminação”, explica a coordenadora de enfermagem do Pronto Atendimento do Complexo Médico Pró-Vida, em Tubarão, Paula Peruch Eleotério Accordi. Os profissionais lidam diariamente com pacientes suspeitos e casos confirmados. Para evitar a contaminação, usam o EPI, que contempla máscaras, luvas, avental e óculos.

Na linha de frente em uma profissão atual de risco, a enfermeira confessa que quando tudo começou o medo e a insegurança lhe atingiram. “No início fiquei bem abalada, muitos colegas até pensaram em desistir da profissão pelo medo. Não tive essa dúvida, de parar, saía de casa para a clínica temerosa, mas encarei, até porque estamos trabalhando com segurança”, ressalta.

Segundo a coordenadora, com o passar dos dias e a busca constante de aprendizado e determinação, esse quadro deu uma amenizada. “Antes tudo nos pegou de surpresa, afinal é um vírus desconhecido. Estudamos para ver como poderia nos afetar e continuamos nesse foco. Meu marido também é médico e me apoiou muito nesse processo todo”.

Paula orgulha-se quando fala que ama se dedicar à Saúde. “Cuidamos com todo amor desses pacientes, precisamos é evitar a morte e acelerar o processo de cuidado e cura”. Para isso ter um grupo de profissionais de qualidade e saudável é fundamental. “Todos os dias, eu como líder, preciso estimular a equipe, são dias difíceis que vivemos, muitos ficam abalados, tristes, mas estão na luta e com coragem para enfrentar esse período”.

Conforme a enfermeira, a sensação de ver uma pessoa recuperada é gratificante. “É um alívio, ver um paciente que a gente cuidou, acompanhou o seu processo, é uma emoção”. Para ela, a classe merece todo um reconhecimento por essa dedicação dos profissionais, que saem todos os dias de casa pensando que podem ser contaminados, precisam de coragem e, assim, estão cumprindo bravamente seu papel pela vida de outras pessoas.

Ritual ao chegar em casa
A enfermeira revela que quando chega em casa, há todo um ritual. Tais cuidados já devem ser tomados pela população, mas com os profissionais da saúde isso torna-se ainda mais obrigatório. “São precauções que devemos adotar como respeito a todo o cidadão. Chego em casa, deixo o calçado do lado de fora, vou a lavanderia onde tiro a roupa e já separo em um local apropriado para lavá-la e após vem o processo da minha higienização.

Paula conta que é de casa para o trabalho e vice-versa. “Não estou mais em minha rotina habitual, tenho saído de casa apenas para algumas necessidades”.

Atendimento
O Complexo Pró-Vida atende o paciente e faz o teste. Diante do resultado, caso seja positivo, o médico analisa o encaminhamento. Há casos em que a pessoa vai para a casa e fica em isolamento total, já em outros, os mais graves, são encaminhados para internação em hospitais.

Datas comemorativas da profissão
Dia 12 de maio é o Dia do Enfermeiro e até o dia 20 é comemorada a Semana da Enfermagem. Confira algumas curiosidades sobre esses dias e essa profissão tão importante

• O dia homenageia o nascimento da britânica Florence Nightingale, considerada pioneira da enfermagem moderna. Ela nasceu em 12 de maio de 1820.

• O Dia do Enfermeiro foi adotado no Brasil por meio do decreto nº 2.956, de 10/8/1938, assinado pelo presidente Getúlio Vargas.

• A Semana da Enfermagem homenageia a britânica Florence Nightingale, nascida em 12 de maio, e a baiana Ana Néri, que faleceu em 20 de maio.

• A Semana da Enfermagem foi instituída pelo Presidente Juscelino Kubitschek com o decreto nº 48.202, de 12/5/1960.

• No Brasil, os primeiros enfermeiros foram os padres jesuítas que atuaram nas Santas Casas de Misericórdia, desde 1540.

• A baiana Ana Néri foi a pioneira em enfermagem no Brasil e a primeira enfermeira a se alistar voluntariamente em combates militares.

• A Semana da Enfermagem é uma homenagem que engloba do Dia do Enfermeiro, em 12 de maio, e o Dia dos Técnicos e Auxiliares de Enfermagem, no dia 20 de maio, esse, instituído através da Resolução Cofen.

• A palavra Enfermeiro(a) se compõe de duas palavras do latim: “nutrix” que significa “mãe” e do verbo “nutrire” que tem como significados, “criar” e “nutrir”. Essas duas palavras, adaptadas ao inglês do século XIX acabaram se transformando na palavra NURSE, que traduzido para o português, significa enfermeiro. Fonte: sanarsaude