Após decretar situação de Emergência em Santa Catarina, o Governador Carlos Moises informou  que já foi identificado o contágio comunitário do coronavírus no Estado, e que a Região Sul está sendo monitorada com mais atenção. 

Em Tubarão temos 7 casos suspeitos, dois deles confirmados pela prefeitura que só aguarda resultado do Lacen para informar ao Ministério da Saúde. E temos também outros dois casos confirmados e 7 suspeitos em Braço do Norte.

A partir desta quarta-feira (18) todas as atividades consideradas não essenciais devem interromper os trabalhos durante 7 dias. 

São considerado serviços essenciais de saúde, funeral, postos de saúde, supermercados, farmácias, postos de combustíveis, distribuidores de gás e água.

A medida, de acordo com o secretário de Estado da Saúde, Helton de Souza Zeferino, é para conter a proliferação do vírus, que está acontecendo muito rápido no mundo. 

“O isolamento iria acontecer mais cedo ou mais tarde. É como um tratamento de choque, tem que ser radical. As pessoas se isolam pra evitar o contato social e o vírus não tem como se espalhar”, explica. 

O Secretário pede a todos que levem a sério a quarentena e que as pessoas se conscientizem e que fiquem em casa o máximo de tempo possível. “Todas as regiões precisam aderir ao decreto. Foi assim que grandes países tiveram sucesso no combate ao coronavírus. 

Braço do Norte é a cidade que o Governo olha com mais atenção porque os pacientes com coronavírus são os únicos que estão internados e recebem tratamento na UTI. Eles estão no Hospital São Donato e são marido e mulher. Ele tem 55 anos e ela 52, o casal esteve recentemente em um cruzeiro.

O prefeito de Braço do Norte Beto Kuerten, se preocupa imensamente com a saúde dos catarinenses e diz que todos os agentes públicos devem estar atentos se os cidadãos estão cumprindo o decreto.

“Na nossa cidade já botamos a polícia nas ruas e quem não obedecer ao decreto vai responder a um termo circunstanciado e pode sofrer processos no futuro. Todos os prefeitos são responsáveis por fazer os cidadãos acatarem o decreto.