Turistas brasileiros se juntaram no saguão do aeroporto de Cusco, no Peru, na manhã deste sábado, em busca de uma alternativa para voltar para casa durante a pandemia do coronavírus. Isso porque, na noite de ontem, o governo peruano anunciou o fechamento de todas as suas fronteiras e terminais aéreos a partir de amanhã.

O anúncio foi feito pelo ministro da Defesa peruano, Walter Martos. Segundo ele, o fechamento visa a controlar a transmissão do covid-19 no país.

Segundo o MRE (Ministério das Relações Exteriores) do Brasil, havia 3.770 turistas brasileiros no Peru no início desta semana. Grande parte deles pretende voltar para casa por causa do coronavírus. Nem todos conseguiram lugares em voos programados para até este sábado.

“Tem uma lista do Ministério do Turismo e da Latam com nome de brasileiros incluídos em voo que sai hoje. Também tem um grupo de brasileiros que não está na lista e está aqui no aeroporto”, descreveu Lisiane Ramos Ferreira, 28, que está em Cusco. “Precisamos sair daqui hoje”.

Segundo Ferreira, não há espaço no voo que sai de Cusco hoje para todos os brasileiros que estão na cidade. Ela afirmou que 400 turistas do Brasil estão na cidade peruana à espera de uma solução.

Em uma postagem feita em seu perfil no Twitter, o Itamaraty salientou que 182 brasileiros já embarcaram em Cusco rumo ao Brasil e que segue empenhado na busca de uma solução para repatriar os outros turistas.

A embaixada brasileira no Peru também se posicionou sobre o caso e ressaltou que permanecem autorizados voos “charter” para repatriação de turistas estrangeiros que permanecem no país.

“Diante da decisão do governo peruano de fechar os aeroportos em todo o país a partir de domingo, a Embaixada esclarece que permanecem autorizados voos ‘charter’ para repatriação de turistas estrangeiros que permanecem no Peru, mediante tramitação diplomática. O governo brasileiro segue em intensas tratativas com as companhias aéreas para o retorno seguro dos turistas brasileiros retidos no Peru”.

Governo brasileiro “muito atento”

O MRE informou em nota que o governo brasileiro “continua muito atento à situação dos turistas brasileiros que permanecem em Cusco e segue empenhado na busca de solução para a repatriação dos cidadãos brasileiros o mais rapidamente possível”.

Segundo o MRE, a Embaixada do Brasil no Peru conseguiu autorização para que um diplomata e um militar brasileiros possam auxiliar àqueles que ainda permanecem em Cusco. Os dois chegarão à cidade no domingo. O MRE disse que fornecerá seus contatos oportunamente.

Gabinete de risco monitora

Além do MRE, funcionários do Ministério do Turismo também monitoram a situação dos brasileiros no Peru num gabinete de crise. O grupo considera grave a situação dos brasileiros no Peru.

De acordo com funcionários que acompanham o caso, o governo tenta negociar com empresas a programação de voos extras para a repatriação de turistas. Também é negociada a abertura de uma exceção para que aviões possam repatriar os brasileiros mesmo com aeroportos fechados.

“Ficaria bom para todo mundo. Trazemos os brasileiros de volta e tiramos de lá pessoas que o governo peruano seria obrigado a cuidar”, disse um membro do governo que não quis se identificar.

Na quinta-feira (19), a Embaixada do Brasil no Peru anunciou que dois voos seriam usados para trazer brasileiros de volta. Os dois voos saíram na sexta-feira, de Lima, capital do Peru. No domingo (15), o Peru entrou em estado de emergência nacional por 15 dias. Quem está no país deve obedecer à quarenta.