Liliane Dias
Florianópolis

 

Mesmo já apresentando algumas boas notícias, o governador afirma que o pior da ‘curva’ ainda estar por vir e deve-se agravar. “A letalidade no Estado passou de 4.6% para 4.9%. Nos próximos 15 dias vai ter de fato a transformação, da ascendência da curva de contagio”, afirmou o governador Carlos Moisés em coletiva.

Nesta terça-feira (7), até as 17h, o registro do governo para covid-19, eram de 457 novos casos confirmados e 15 óbitos, incluindo duas pessoas mais jovens (32 e 34 anos). Ambos não apresentavam doenças pré-existentes, ou seja, não pertenciam a nenhum quadro de risco. Outros casos foram de 54 e 58 anos. De acordo com o governador, todos demandavam ventilação mecânica nas UTIs.

Entre os pacientes que apresentaram quadro de melhora e/ou cura, está um que foi internado e ficou 20 dias entubado. Este recebeu alta do hospital, curado. “Isto nos deixa mais esperançosos de que os protocolos catarinenses são adequados”, pontua o secretário de Estado da Saúde, Helton de Souza Zeferino. O governo iniciou nesta terça-feira, o quadro de dados sobre os curados no Estado e que será dada continuidade aos números. O governador acredita que dentro do quadro em que se vive, é de fundamental importância as pessoas também receberem boas notícias.

Desde o último dia 18, quando começaram a ser registrados os casos em Santa Catarina, até esta segunda-feira. Foram 68 pacientes curados ou em processo de cura, por terem recebido alta da UTI. “São pacientes que podemos considerar curados e/ou a caminho da cura, porque já saíram da UTI e estão em enfermaria”, ressalta o secretário.

Seguindo determinação do Ministério da Saúde do Brasil, a partir do dia 13, o Estado começa a flexibilizar mais as medidas de isolamento social por se enquadrar no perfil. “Seguindo dentro da mesma lógica, a recomendação do Ministério da Saúde, quem aplicou medida social e que não teve comprometido superior a 50% para covid-19, orienta-se a flexibilização de forma setorizada”, detalha Moisés.

Porém, o governador alerta que não se pode menosprezar a letalidade da doença que, inclusive tem levado pessoas jovens. “Nesta semana vamos tomar decisões importantes sobre as medidas de isolamento e a partir do dia 13 ações efetivas de retomadas de atividades”, explica.

 

Índices de isolamento social
O secretário de Estado da Casa Civil, Douglas Borba, explica que desde o início da fiscalização foram mais de 16 mil intervenções, fiscalizações e orientações, mas o que chama a atenção do monitoramento foi o grau de isolamento, que pode ser mapeado. “Num período de mais de 3 horas em mais de 60% das áreas não tiveram grandes movimentações. Apesar da flexibilização das regras houve uma redução de apenas 6%, significa na nossa leitura que a educação e a conscientização estão aumentando”, observa.

Borba acrescenta que mesmo com a flexibilização dos últimos decretos a população continua colaborando e facilita o trabalho das forças de segurança e percebe uma mudança efetiva de comportamento. “Por meio de mapeamento pode-se observar o isolamento das pessoas desse período por mais de 3 horas”, ressalta.

 

Liberação por setores
Concessionarias, vendas e revendas de veículos, assim como elétricas, mecânicas, despachantes, inspeções veiculares, lava carros e afins, voltarão a atuar a partir desta quarta-feira (8). Já as missas, cultos e outras reuniões como eventos, festas e convenções, ainda estão com restrições não podendo ocorrer. “Não tem metodologia segura ainda, precisamos experimentar rodar a curva da próxima semana e acompanhar dentro do que foi liberado essa semana”, detalha Moisés.

O governador acrescenta que existem grupos bem divididos que desejam a liberação e os que querem a permanência do isolamento. Mas as ações serão adotadas conforme índices de fatores apresentados pelas áreas de vigilância. “Além disso, os municípios poderão adotar normas mais restritivas desde que se justifique”, finaliza.