Em meio ao isolamento e à situação de cautela e atenção que o momento exige por causa dos riscos de proliferação do coronavírus em Santa Catarina, ações positivas, de união, têm surgido. Muitos catarinenses estão pensando no coletivo e tendo iniciativas para ajudar outras pessoas, o que cria uma corrente de solidariedade no estado durante o momento difícil.

Morador de Florianópolis, Rodrigo Melim Ferreira estava em uma tarde da última semana orientando por telefone a madrinha de 88 anos sobre os cuidados com o coronavírus, já que a idosa mora sozinha e não acompanha os veículos de comunicação. Após a ligação de 40 minutos, Rodrigo ficou pensando na dificuldade que os idosos têm para comprar alimentos e remédios, pois fazem parte do grupo de risco da doença.

Como parou de trabalhar temporariamente na quarta-feira, 18, após o decreto de situação de emergência em Santa Catarina, ele e a esposa decidiram ajudar os moradores do condomínio. Eles colaram uma carta no elevador do prédio onde moram, no Centro, colocando-se à disposição para fazer compras aos idosos.

“Nosso prédio tem praticamente 80% dos moradores acima dos 60 anos de idade e sempre vemos alguns tendo dificuldades na rotina diária. Postei a carta também nas mídias sociais para estimular os mais jovens a ajudar os idosos. Minha rotina é muito corrida, mas sempre que posso ajudo quem precisa“, comenta Rodrigo Melim Ferreira, de 27 anos.

O casal também pediu aos funcionários do condomínio para avisarem os idosos que moram sozinhos no prédio sobre a iniciativa.

Arrecadação de 500 cestas básicas

Para Jaqueline de Souza Ribeiro, o momento de cautela com o coronavírus é também uma possibilidade de união para ajudar a comunidade. Moradora do Monte Cristo, na região continental de Florianópolis, ela teve apoio de uma amiga para arrecadar cestas básicas e um amigo com carro para distribuir os alimentos pela comunidade.

A arrecadação começou na terça-feira, 17, quando o trio conseguiu alimentos para atender 30 famílias na comunidade. O número aumentou na quarta, 18, quando as doações se estenderam a mais 70 famílias da comunidade. Nesta segunda, 23, já eram 500 cestas básicas. As doações são feitas por membros da comunidade, entidades e também por depósitos.

“Estamos montando as cestas e entregando direto para as famílias. Também tomamos o máximo de cuidado com os produtos para que a entrega seja feita de forma adequada.”, conta Jaqueline de Souza Ribeiro, de 31 anos.

Incentivo ao estudo durante a suspensão das aulas

Com a suspensão das aulas da rede pública e privada de ensino durante 30 dias para evitar a proliferação dos vírus nas escolas, a EEB São José, em São Joaquim, criou uma iniciativa para que os alunos possam usar esse período para seguir aprendendo. A diretora Singra Couto Strickert e os professores da unidade criaram um cronograma com duas a três aulas por dia para os alunos do ensino médio, anos finais do fundamental e magistério.

Foram criados grupos na internet para os alunos de cada uma das 26 turmas da EEB São José, incluindo também a diretora e um professor que atua como coordenador. O professor enviará a aula diariamente para o coordenador incluindo um texto base, uma vídeoaula e cinco perguntas para serem respondidas no caderno. Para atender às dúvidas, o coordenador resolve ou pede apoio ao professor e posta as respostas no grupo.

“A ideia é minimizar o prejuízo pedagógico e criar rotinas de estudo, além de estreitar o laço com as famílias pois os pais também estão nos grupos. E fazer valer o lema da nossa escola de que juntos somos mais fortes”, destaca Singra Couto Strickert, que também distribuiu aos alunos um documento com cinco dicas para estudo em casa.

A Secretaria de Estado da Educação estuda a flexibilização das atividades pedagógicas a distância para os 539 mil alunos da rede estadual. Para isso, está analisando modelos de ensino que possam alcançar alunos sem acesso residencial a computador e internet. Além desse levantamento, a SED está elaborando uma página de recursos digitais de aprendizagem como suporte aos docentes, pais e alunos. O endereço será disponibilizado nos próximos dias.

Pagamento aos fornecedores para ajudar a economia catarinense

Para evitar a propagação do coronavírus, algumas empresas tiveram que adiar atendimento ou paralisar o serviço temporariamente. Apesar disso, há empresas que decidiram manter o pagamento regular aos fornecedores, mesmo nos casos em que as atividades estão paralisadas e os serviços serão prestados após o fim da pandemia, movimentado a economia catarinense durante um período crítico.

“Nós acreditamos que a empresa tem um compromisso social com a nossa comunidade, por isso mantivemos os pagamento dos nossos fornecedores mesmo com as atividades paralisadas. Não conseguimos avaliar ainda os impactos econômicos, mas sabemos que vai atingir principalmente autônomos e pequenos negócios”, destaca André Krummenauer, CEO da empresa do setor de tecnologia e inovação.

Foto: Jaqueline Ribeiro