O primeiro óbito de dengue no município foi registrado em Chapecó. A confirmação foi feita pela Vigilância de Saúde do município. Trata-se de um homem de 73 anos, que morreu no dia 23 de março, no Hospital Regional do Oeste. O resultado só foi divulgado agora pois amostra de sangue foi encaminhada para o Lacen, em Florianópolis, para confirmação.

A Vigilância alerta a população para os cuidados necessários, como não deixar locais com água acumulada, usar repelente, receber os agentes de combate a endemias e procurar atendimento médico em caso de sintomas. De acordo com o boletim da dengue divulgado nesta segunda-feira (4), pela Vigilância Epidemiológica de Chapecó, são 1.282 casos positivos em 2022.

Diante do cenário a administração municipal já vinha adotando medidas de combate ao mosquito Aedes aegypti, que foram intensificadas desde o mês passado, inclusive com uma reunião de mobilização de entidades e órgãos da sociedade civil. As escolas também se envolveram na campanha.

Somente neste ano foram realizados seis mutirões de combate à dengue. Foram realizadas 83.149 visitas pelos cerca de 60 agentes de combate a endemias, com auxílio de agentes comunitários de saúde, mais de sete mil depósitos eliminados, cerca de 900 caixas de água inspecionadas, tratadas e vedadas, mais de 700 borrifações, e recolhimento de mais de 800 pneus. Termos e denúncias atendidas foram mais de dois mil.

Houve ampliação do atendimento da dengue para os ambulatórios do Verdão e do Centro, além de horário ampliado do posto de Saúde do Efapi. Foi buscado reforço de drone da Guarda Municipal e também um drone terceirizado, para identificação de criadouros em locais de difícil acesso. Também foram contratados 30 novos Agentes de Combate a Endemias. Além disso, vária outras ações foram realizadas, por meio de campanhas, para orientar a população.

 

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: Aconteceu