Zahyra Mattar
Laguna

Os turistas que frequentam as praias do litoral catarinense contam com uma vantagem que poucos estados no Brasil oferecem. Além da diversidade de suas paisagens – que misturam baías, enseadas, costões e muitas ilhas – Santa Catarina garante aos veranistas um serviço de utilidade pública essencial na temporada: o monitoramento da qualidade da água do mar para o banho, feito periodicamente em todo o litoral do estado desde 1976.

A pesquisa de balneabilidade, que analisa as águas de cada praia e determina se estão próprias ou não para o banho, é feita durante todo o ano. Quando a temporada de verão chega, o trabalho é intensificado e feito toda semana. A análise gira em torno de se as águas dos balneários estão contaminadas – ou não – por esgotos domésticos.
Nesta sexta-feira, a Fatma disponibilizou o primeiro relatório desta temporada de verão. O resultado não foi ruim como se esperava. Havia a preocupação de que as chuvas que assolaram o estado há duas semanas tivessem refletido sobre as condições dos balneários. Mas isso, felizmente, não se confirmou.

Ao todo, 26,9% dos pontos analisados ao longo do litoral catarinense estão impróprios para banho. Foram avaliados 182 pontos em 107 balneários de 27 municípios. Desses, 49 não atenderam o que determina a legislação, apresentando-se impróprios para banho. Na Amurel, dois balneários estão com água imprópria. Ambos ficam em Laguna. Um é a Lagoa de Cabeçudas (em frente ao quilômetro 313 da BR-101). O outro a Prainha do Farol (na entrada da praia), no Farol de Santa Marta.

Em comparação com novembro, quando um relatório de balneabilidade também foi feito, não ouve alteração no número de pontos, mas nos locais impróprios. Anteriormente, os locais não considerados bons para o banhistas estavam em Laguna, na Lagoa de Cabeçudas, e em Imbituba, na Lagoa da Ibiraquera (próximo à boca da barra). Agora, o ponto de Imbituba retornou às condições ideais ao banho. Até março, o relatório de balneabilidade será feito todas as semanas. Os resultados podem ser acompanhados no site da Fatma: www.fatma. sc.gov.br.

Pontos de coleta na região
Garopaba
Ponto 1 – Praia de Garopaba (em frente à praça).
Ponto 2 – Praia de Garopaba (em frente à rua Lauro Müller).
Ponto 3 – Praia de Garopaba (próximo a foz do rio Siriú).

Imbituba
Ponto 1 – Praia do Rosa (canto sul).
Ponto 2 – Lagoa da Imbiraquera (próximo a boca da barra).
Ponto 3 – Praia da Ibiraquera (aproximadamente 100 metros ao sul da boca da barra).
Ponto 4 – Praia da Ribanceira (em frente à parada de ônibus).
Ponto 5 – Praia do Porto (no fim da estrada, próximo ao navio encalhado).
Ponto 6 – Praia da Vila Nova (ao lado do posto salva vidas).
Ponto 7 – Praia da Vila Nova (em frente à rua Hans Schimidt).

Jaguaruna
Ponto 1 – Praia do Arroio Corrente (300 metros ao sul da foz do arroio).
Ponto 2 – Lagoa do Arroio Corrente (na parte superior do ‘Chuveirão da Jagua’).
Ponto 3 – Canal do Camacho (na foz).

Laguna
Ponto 1 – Praia de Itapirubá (a 100 metros do costão sul).
Ponto 2 – Praia do Gí (em frente ao posto salva vidas).
Ponto 3 – Praia do Mar Grosso (em frente ao emissário submarino da Casan).
Ponto 4 – Lagoa de Cabeçudas (em frente ao quilômetro 313 da BR-101).
Ponto 5 – Praia da Teresa (no meio da praia).
Ponto 6 – Praia do Cardoso (extrema esquerda da praia).
Ponto 7 – Prainha do Farol (na entrada da praia).

* Fonte: Fatma
Observação: Os pontos em negrito são os impróprios para banho. A informação entre parênteses é o exato local onde a água é coletada para análise. Nos balneários da Amurel, a coleta foi feita entre terça e quinta-feira da última semana.