A líder comunitária Edilamar Silva Moraes alerta sobre o modo em que alguns moradores do loteamento Jardim Taitu vivem
A líder comunitária Edilamar Silva Moraes alerta sobre o modo em que alguns moradores do loteamento Jardim Taitu vivem

 

Angelica Brunatto
Tubarão
 
Há anos, a comunidade do loteamento Jardim Taitu, no bairro São Martinho, em Tubarão, clama por ajuda. O principal pedido é a retirada dos moradores das áreas de risco, já que as casas estão construídas no topo de um morro, onde há várias vertentes e pedras.
 
É principalmente quando chove que a população se assusta. “Alaga tudo! Parece um ‘véu de noiva’”, conta a moradora e líder comunitária Edilamar Silva Moraes. Ela revela que não são muitas famílias que necessitam ser retiradas. “Desde 2003, a gente espera a prefeitura contar as casas para fazer algo”, lamenta. 
 
Outra questão é o mau cheiro na Gruta Nossa Senhora de Lourdes. “O esgoto das casas de cima cai no local. Este é um ponto turístico, muitas pessoas vinham para cá!”, lembra. 
 
A líder comunitária já acionou a Defesa Civil de Tubarão para buscar soluções. “Este é um problema antigo. Mas vamos verificar a situação da população o mais rápido possível. Estamos aqui para ajudar”, declara o secretário de Defesa Civil, Mário Ingrácio. 
 
De acordo com o secretário, o loteamento foi regularizado, mas a população continua a construir em locais de Preservação Permanente. “Muitos não demarcam o terreno e ocupam o espaço do vizinho”, revela. Outro problema apontado por Mário é os deslizamentos de terra que ocorrem no loteamento.
 
O secretário também afirma que o órgão já vistoriou a área algumas vezes. “Vamos expedir um boletim de ocorrência e faremos uma avaliação detalhada de casa por casa. Vamos tentar dar uma solução”, garante o secretário.