A primavera 2019 tem início às 4h50 desta segunda (23) e se estende até 1h19 de 22 de dezembro.

Para a maioria das áreas do Brasil, a primavera é época de aumento do calor e do retorno da chuva. Mas para algumas regiões, primavera significa seca. Em grande parte do Nordeste, esta é a estação mais quente e seca do ano. Na porção norte da Região Norte, onde estão Roraima, o Amapá, o norte do Pará e do Amazonas, a primavera é uma estação de pouca chuva, o que faz com que o calor aumenta.

Estação dos temporais

Durante a primavera ocorre uma grande mudança na circulação dos ventos sobre o Brasil que gera um corredor de umidade entre o Norte, o Centro-Oeste e o Sudeste. Isto permite o crescimento de muitas áreas de instabilidade sobre estas Regiões, que provocam pancadas de chuva frequentes especialmente durante as tardes e noites.

É a maior disponibilidade de ar úmido e quente sobre o país que facilita a formação das nuvens carregadas que provocam temporais.

Frentes frias chegam o Sul e ao Sudeste do Brasil, mas raramente ao Nordeste. Em geral, o ar frio de origem polar fica sobre o mar, mas algumas vezes o vento frio penetra pelo interior do país e aliviar o calorão.

A primavera também é uma estação de dias muito quentes e é comum ocorrerem extremos de calor.

Maior influência do Atlântico Sul

O fenômeno El Niño que predominou no verão e no outono se desconfigurou. A primavera 2019 será com neutralidade climática no Pacífico Equatorial Leste. A temperatura do Atlântico Sul terá maior influênciana precipitação.

Muitas áreas da costa do Brasil vão passar a primavera com temperatura da água do Atlântico Sul abaixo do normal, o que dificulta o deslocamento normal das frentes frias. A passagem das frentes frias do Sul para o Sudeste a ajuda a espalhar a o ar úmido perlo interior do país estimulando a formação de áreas de instabilidade.

Infelizmente este ano, durante grande parte da primavera, a tendência de um Atlântico Sul “frio” vai dificultar a passagem das frentes frias e aumentar a irregularidade da chuva sobre o país.

Chuva e temperatura

Outubro – Durante o mês de outubro, a chuva mais volumosa fica concentrada sobre a Região Sul do país. Dificilmente alguma frente fria conseguirá atingir a costa da Bahia, o que ajudaria a espalhar a umidade pelo interior do país.

A tendência climática geral é que muitas áreas terminem o mês com chuva abaixo da média climatológica. Mesmo nas regiões onde a tendência é de chuva dentro a acima da média, a irregularidade das pancadas de chuva será um problema.

Com as áreas de instabilidade mal distribuídas pelo país, os períodos com sol forte tendem a ser maiores, o que facilita o aquecimento excessivo do ar e a manutenção de temperaturas elevadas.

A tendência geral é de que a temperatura fique acima da média, mas sem apresentar longos períodos com extremos.

Novembro – Em novembro, a situação de irregularidade da chuva persiste e muitas regiões do país devem terminar o mês com menos chuva do que a média.

É normal uma melhor distribuição de umidade durante este mês e a média climatológica aumenta em relação a outubro. Assim, a tendência de chuva abaixo da média não quer dizer que não vai chover. A frequência de temporais até aumenta, principalmente nas regiões mais próximas ao litoral do Sul e do Sudeste.

A temperaturafica acima da médiana maior parte do país.

Dezembro – Para dezembro, não há perspectiva para grandes mudanças. A irregularidade da chuva ainda será sentida, mesmo com a ocorrência temporais pelo país.

A chuva no Sul do Brasil será destaque neste mês, que deve terminar com volume de precipitações acima da média.

As temperaturas ficam altas na maior parte das regiões, mais uma vez acima da média. No Sul do Brasil, a temperatura tende a ser normal a ligeiramente abaixo da média, devido a maior frequência de chuva.