Wagner da Silva
Braço do Norte

A falta de apoio nos projetos e ações da comissão de trânsito de Braço do Norte fez com que o presidente da entidade, Roberto Effting, renunciasse ao cargo. Ele ficará no comando da comissão somente até o fim deste mês.

Effting assumiu a presidência, cujo cargo é voluntário, em 2005. Um dos projetos, era contratar uma empresa particular para realizar o estudo de tráfego, entre outros serviços, para melhorar o fluxo nas ruas do centro, especialmente. Funcionário efetivo da administração, Effting explica que a decisão foi tomada de forma consciente e não há volta. Ele argumenta que, no ano passado, foi autorizado a efetuar um levantamento do trânsito e passou três dias avaliando os pontos que necessitavam de sinalização vertical.

“Fui eu quem fez, no meu horário de folga, o primeiro mapa digitalizado de todas as ruas da cidade. O documento, atualizado constantemente, foi entregue a uma empresa, mas o serviço não foi contratado. Trabalhei praticamente todo o tempo sozinho sem receber nenhum apoio da administração. Quando fiz o levantamento, obtive a palavra do secretário de planejamento da prefeitura de que o projeto sairia do papel. Não foi isso que ocorreu. Por isso, decidi entregar o cargo”, justifica Effting.

Além disso, o ex-presidente fala que, recentemente, houve a aprovação de um projeto executado por ele e uma engenheira de Braço do Norte. Através da idéia, a cidade conseguiu, inclusive, viabilizar recursos do governo federal, através do deputado Edinho Bez (PMDB), para instalação de sinalização turística.

Neste época, ele relembra, o presidente sofreu duras críticas. “Tem muito engenheiro de trânsito em Braço do Norte, mas nenhum deles quer colocar a cara a tapa, ser criticado. Trabalhei de forma voluntária e não foi fácil. Escutei muitas coisas que não precisava. Gostaria de ver outra pessoa com as mesmas condições de trabalho fazer o mesmo que eu consegui fazer”, desabafa, em tom desafiador.