Travessia que beneficiará milhares de pessoas do Centro, Oficinas, Dehon e Morrotes, além dos estudantes da Unisul e do Colégio Dehon, a passarela de concreto recebe os últimos equipamentos. Todos os postes para iluminação estão fixados e os guarda-corpos nas duas laterais e os tubos de drenagem serão colocados nos próximos dias.

Essa última etapa foi iniciada logo depois da concretagem das pré-lajes da margem esquerda, que encerrou os trabalhos envolvendo as peças pré-moldadas da obra. Depois, restaria apenas a pintura no piso para delimitar o espaço de circulação dos pedestres, ciclistas e cadeirantes.

A passarela teve um custo de mais de R$ 3,6 milhões. A travessia de concreto armado protendido ficou com cerca de quatro metros de largura – dois metros livres para a ciclofaixa e 1,5 metro livre para os pedestres e cadeirantes.

A circulação de motos será proibida, por isso usuários desse tipo de veículo poderão fazer a travessia do Rio Tubarão pela ponte Manoel Alves dos Santos (Morrotes) ou as duas do Centro (Nereu Ramos e Heriberto Hülse).