#Pracegover Na foto, um profissional segura um frasco de vacina; ao lado aparece uma seringa
Foto: Reprodução Internet

O Ministério da Saúde assinou nesta quinta-feira um acordo com o Instituto Butantan para a compra de totalidade da produção da CoronaVac para ser usada em todo o SUS. Com isso, é possível pensar na aceleração da vacinação contra Covid-19 no Brasil, que conforme o Governo Federal, pode iniciar em 20 de janeiro.

“Toda a produção do Butantan, todas as vacinas que estão no Butantan, serão a partir deste momento do contrato, incorporadas ao Plano Nacional de Imunização. Serão distribuídas de forma equitativa e proporcional a todos os estados, como cada uma das vacinas da AstraZeneca”, disse o Ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

O Ministro garantiu que o Butantan se comprometeu a entregar 46 milhões de doses até abril de 2121. Os outros 56 milhões serão disponibilizados ao longo do ano, totalizando 100 milhões de doses, capacidade total da fábrica. De acordo com o Ministério da Saúde cada dose será adquirida por US$ 3,75.

Pazuello garantiu também que as doses “serão distribuídas de forma equitativa e proporcional” entre estados e municípios e que o Governo já colocou à disposição aviões e jipes para que a vacina chegue a todos que receberão o imunizante no primeiro lote. “Oferecemos vacina grátis e voluntária, no que depender do Ministério da Saúde e da Presidência da República, para todos os brasileiros”, afirmou.

Até o momento o Brasil firmou dois acordos bilaterais, um com o Instituto Butantan com a CoronaVac/Sinovac para a compra de 100 milhões de doses; e outro com a Fiocruz com a AstraZeneca/Oxford, para a compra de mais de 250 milhões de doses para que toda a produção seja local. “Ou fabrica no Brasil, ou não tem vacina”. enfatizou o ministro.