Deixada de lado pela maioria dos representantes do poder Executivo e Legislativo, a causa animal pode receber maior atenção dos representantes do Paço Municipal e Câmara de Vereadores de Tubarão. Pelo menos é o que prometem os candidatos à prefeitura e a Casa Legislativa da Cidade Azul, que se enfrentam nas urnas no próximo dia 15.

A causa animal é um tema que tem ocupado cada vez mais espaço em debates públicos. Em Tubarão, o Coletivo Proteção Animal elaborou uma carta convite para que os candidatos apresentassem suas propostas ligadas aos pets. Agora, com os planos de governos publicados no Tribunal Regional Eleitoral, o grupo poderá cobrar para que as ações não sejam apenas promessas, mas uma realidade.

De acordo com o Coletivo, o objetivo principal do levantamento de dados foi conhecer o perfil de atuação dos candidatos, os conhecimentos e a familiaridade com o Tema Proteção Animal. “Entendemos que muitos são os desafios e necessidades que os futuros eleitos deverão priorizar ao serem eleitos, porém tão importante quanto causas como educação, saúde, saneamento, geração de empregos, a situação dos animais de rua do que diz respeito a procriação, bem como as constantes denúncias de abandono e maus tratos justificam o planejamento e a execução de bons projetos na área do bem-estar animal e combate aos maus tratos”, enfatizou.

As cartas convites foram entregues aos Assessores dos Partidos para que replicassem aos candidatos e o prazo de retorno das propostas foi até o dia 15 deste mês. “Infelizmente teve partidos que nenhum dos (as) candidatos (as) se manifestaram. Fato que nos leva a apontar as seguintes hipóteses: não tem conhecimento sobre a área de Proteção e Bem-estar animal; não consideram o tema relevante como um problema social e de saúde pública; não apresentam empatia pela causa”, observou.

No que diz respeito as propostas enviadas:

• algumas respostas com teor genérico de solidariedade a causa, sem nenhum
outro posicionamento argumentativo e propositivo;
• respostas que consideramos inviável como por exemplo: hospital veterinário.
Nesse sentido, o candidato(a) desconhece a realidade que enfrentam muitos
protetores e simpatizantes, além dos grupos organizados que atuam
encaminhando animais de rua para tratamentos, castrações, doações. O
enfrentamento deve ser imediato, e esperar a viabilidade de tal proposta seria
“ilusão” pelo menos a curto e médio prazo;
• alguns candidatos que buscam a reeleição citam a castração como uma solução,
porém não identificamos no histórico desses mesmos candidatos a proposição
(executivo e legislativo) de castrações nos bairros especialmente para famílias
em condições de vulnerabilidade social;
• a maioria cita castração e chipagem como formas de manejo;

Com base na nossa experiência sobre o problema, entende-se ser factível:

1. Castrações nos bairros por meio de parcerias público privada. Da mesma forma,
castramóvel é uma realidade que já acontece em vários municípios. A atual
gestão da Secretaria de Saúde informou (2019), que as agentes comunitárias
estariam cadastrando as famílias com a identificação de animais domésticos,
porém até o momento não sabemos se essa estratégia foi concluída bem como
próximo passo;
2. Chipagem dos animais resgatados e doados, como forma de gestão da política
municipal, bem como acompanhamento e responsabilização dos tutores;
3. Parceria público privada estabelecida com o Hospital Veterinário da Unisul
(como ação comunitária), e clínicas veterinárias;
4. Inserção do Tema Proteção e Bem estar animal no currículo escolar do
município;
5. Campanhas permanentes de adoção organizadas pela prefeitura (secretarias
Saúde e Meio Ambiente) em parceria com as Ongs locais;
6. Cão comunitário nas escolas: educação, cuidado, desenvolvimento de
habilidades socioemocionais;
7. Canal de denúncias para casos de abandono e maus tratos;
8. Transparência na aplicação de recursos públicos destinados a causa animal
(incluindo recursos aplicados na Unidade de Vigilância Sanitária); Aba específica
no portal da transparência: edital/notas fiscais;
9. Relatórios estatísticos sobre as castrações e adoções viabilizadas pela prefeitura;
10. Inclusão da temática Proteção e Bem Estar Animal nas campanhas publicitárias
veiculadas pela prefeitura em seus canais de comunicação bem como estimular
as empresas locais e fornecedores para que possam participar de uma campanha
permanente com cunho educativo/preventivo;
11. Cadeira no conselho municipal de saúde para representatividade dos protetores;
12. Criar um fórum para permanente discussão entre as várias instâncias do poder
público, instituições privadas e sociedade civil envolvida com a causa animal;
13. Nos posicionamos totalmente contra a procriação e venda de animais de
estimação. Entendemos que esse problema requer urgente enfrentamento e
controle;
14. Constantemente temos manifestado nossos posicionamentos e reinvindicações
protocoladas em ofícios reiterando nossos pedidos, podemos citar como
exemplificação: ofício 04/19 (Secretaria de Educação), 02/20 (Secretaria Saúde),
03/20 (Secretaria Saúde e Gabinete do Prefeito), 04/20 (Secretaria do Meio
Ambiente).

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul