Obra para readequar antigo prédio deve custar R$ 5 milhões.

Laguna

Com projeto de restauro aprovado, o plano de instalar em Laguna um polo do Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires agora aguarda a disponibilidade de recursos financeiros do Estado para sair do papel. A unidade de ensino, caso seja instalada mesmo, irá funcionar no prédio da escola básica Jerônimo Coelho, no Centro da cidade.

Como a edificação é tombada pelo governo, o projeto precisou ser analisado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O secretário executivo de Desenvolvimento Regional em Laguna, Luiz Felipe Remor, afirma que o documento já foi aprovado pelo órgão federal.

Segundo ele, a obra deve custar aproximadamente R$ 5 milhões. Além disso, o funcionamento do colégio militar vai exigir o repasse mensal de pouco mais de R$ 100 mil para o custeio de despesas. “Passamos a proposta para o governo do Estado e agora estamos aguardando o retorno”, diz Remor.

Hoje, a escola Jerônimo Coelho abriga cerca de 130 alunos. Caso seja transformada em colégio militar, vai passar a oferecer aulas da sexta fase do ensino fundamental até o fim do ensino médio. “Como faz pouco tempo que abriu o orçamento do governo, estamos esperando os recursos. Estamos correndo atrás da máquina”, comenta o secretário. Remor está confiante na aprovação do projeto junto ao Estado.

O comandante da Polícia Militar em Laguna, tenente-coronel Jefer Francisco Fernandes, diz que há chances de que o colégio comece a funcionar a partir do próximo ano. Ele destaca a qualidade do ensino oferecido pela instituição e reforça que será aberta a toda a região, e não apenas aos moradores de Laguna.

Atualmente o colégio militar tem duas unidades, uma em Florianópolis e outra em Lages, que completou um ano de funcionamento. O acesso à instituição é definido por sorteio: 90 % das vagas são destinadas a filhos de policiais militares, bombeiros militares e funcionários civis da PM; e 10% para a comunidade em geral.