Zahyra Mattar
Tubarão

Julho na bacia hidrográfica do Rio Tubarão foi, literalmente, um mês de inverno. A temperatura média registrada na estação meteorológica urbana Oregon, instalada no bairro Vila Moema, foi de gelados 14,3° C. Isto ocorreu porque a região sul do país esteve sob influência direta da massa de ar polar que manteve os termômetros com marcas bastante baixas.

Em Tubarão, houve 15 dias que a temperatura mínima ficou abaixo de 10° C e cinco dias em que a temperatura máxima não chegou aos 15° C. “A média da temperatura máxima foi de 18,8°C e a média da mínima de 10,9° C. O dia 25 foi o mais frio do mês, quando fez 3,5° C às 6h47min”, detalha o engenheiro químico da estação Oregon, Rafael Marques. O vento predominou do quadrante sul e sudoeste.
A chuva na bacia hidrográfica do Rio Tubarão, após dois meses abaixo da média, restabeleceu a regularidade. Apenas em Jaguaruna e no Farol de Santa Marta, em Laguna, o índice ficou com um valor abaixo da média (pouco mais de 70 milímetros no mês em ambas regiões).

Em contrapartida, nas estações de Santa Rosa de Lima e Anitápolis, localizadas em altitude maior e mais próxima da serra, a precipitação excedeu a média em mais de 20%. Em Santa Rosa de Lima, o índice chegou perto dos 120 milímetros em julho. Em Anitápolis, a quantidade ficou próxima dos 140 milímetros no mesmo período.