Cinco pessoas morreram, 18 ficaram feridas e várias permaneceram bloqueadas após a inesperada erupção, nesta segunda-feira (9/12), de um vulcão em uma ilha turística da Nova Zelândia.

 

Segundo a polícia, quase 50 pessoas visitavam a Ilha Branca quando ocorreu a explosão, que lançou uma grande quantidade de cinzas e pedras no ar.  Os mortos “são os cinco que foram resgatados da ilha mais cedo”, disse o vice-chefe de polícia John Tims.

 Tims acrescentou que 18 pessoas estão recebendo atendimento médico, incluindo alguns com queimaduras graves, e que não houve contato com outro grupo de pelo menos 10 pessoas que permaneceu na ilha após a erupção. 

 “Não sabemos ao certo o número exato deles e não temos certeza de seu estado”, disse Tims.

A Ilha Branca está localizada a cerca de 50 km da costa da baía turística de Plenty, na ilha norte da Nova Zelândia, e os viajantes que amam o turismo de aventura costumam visitá-la, com capacetes de segurança e máscaras de gás, para se aproximar do vulcão. 

A erupção ocorreu às 14h11 (22h11 de domingo no horário de Brasília), lançando uma coluna de cinzas espessa de 3,6 km no ar. 

Ao anoitecer, a atividade vulcânica torna as tentativas de resgate muito perigosas, alertou Tims.”A ilha é instável, existe o risco de futuras erupções, é fisicamente perigoso retornarmos à ilha”.

“Eu tenho que levar em conta a segurança de nosso pessoal e das equipes de resgate”, acrescentou.

Imagens exibidas ao vivo do vulcão mostravam mais de meia dúzia de pessoas caminhando ao longo da borda da cratera antes da erupção, antes de a transmissão ser interrompida. Muitos turistas “estavam dentro ou ao redor da ilha, e o rastro de alguns foi perdido”, disse à imprensa a primeira-ministra Jacinda Ardern.

“É uma situação em evolução e, é claro, todos os nossos pensamentos estão com as pessoas afetadas”, acrescentou.  Segundo ela, alguns dos turistas seriam estrangeiros.

 

Fumaça branca

O vulcão da Ilha Branca é o mais ativo do arquipélago da Nova Zelândia, de acordo com a agência governamental GeoNet. 

Cerca de 10 mil turistas o visitam todos os anos. Registrou erupções frequentes nos últimos 50 anos, a última em 2016. Este ano, um contêiner de 2,4 toneladas foi levado para a ilha, de avião, para ser usado como refúgio em caso de erupção.

 A Agência Nacional de Gerenciamento de Situações de Emergência declarou que a erupção vulcânica foi “moderada”. Uma espessa fumaça branca podia ser vista a vários quilômetros de distância.

Os sobreviventes foram levados da ilha para o continente em embarcações turísticas, enquanto vários helicópteros e aviões sobrevoavam a região.

Foram encontrados quatro turistas e um piloto que haviam visitado a ilha de helicóptero. Eles tinham aterrissado na ilha pouco antes da erupção, de acordo com a empresa Volcanic Air.

“Não sabemos o que aconteceu depois, mas sabemos que os cinco retornaram a Whakatane (cidade localizada a cerca de 50 km da ilha vulcânica) em um dos barcos turísticos”, declarou um porta-voz da empresa à AFP). 

Michael Schade, um turista que conseguiu sair a tempo, gravou algumas imagens da tragédia.

Seus vídeos mostram grupos de turistas assustados agrupados na costa, esperando para serem evacuados, enquanto o chão ao redor deles queima e o céu está coberto de fumaça.