Mais de cinco milhões de pessoas fugiram da Ucrânia desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

No total, a agência contabilizou 4.796.245 ucranianos que deixaram o país. A eles se juntam 215 mil pessoas não ucranianas que fugiram da Ucrânia, segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

É o maior êxodo de civis desde a Segunda Guerra Mundial. Além disso, a guerra causou mais de 7 milhões de deslocados internos no país, segundo a OIM.

Do total de pessoas que fugiram da Ucrânia, 2,7 milhões se refugiaram na Polônia e 725.000 na Romênia. Dos refugiados, 90% são mulheres e crianças, já que homens entre 18 e 60 anos não podem sair do país porque poderiam ser chamados para lutar contra os russos.

No total, dois terços das crianças ucranianas foram forçadas a deixar suas casas, seja para fugir para o exterior ou para se estabelecer em outras partes do país. A Ucrânia tinha, antes da guerra, uma população de 37 milhões de pessoas.

A Ucrânia informou, nesta sexta-feira, que sete civis morreram e 27 ficaram feridos na quinta-feira em um ataque atribuído aos russos contra um ônibus que retirava pessoas da região de Kharkiv, no leste do país. “Em 14 de abril, militares russos dispararam contra um ônibus de retirada com civis na cidade de Borova. Segundo as primeiras informações, sete pessoas morreram e 27 ficaram feridas”, informou a procuradoria-geral no Telegram.

Uma investigação foi aberta por “violação das leis e costumes da guerra, associada ao assassinato premeditado”, acrescentou. Mais ao sul, na região de Zaporizhzhia, uma pessoa foi morta e cinco ficaram feridas no bombardeio russo da cidade de Vasylivka, onde várias casas, uma loja e uma instalação na estação ferroviária de Tavriysk foram danificadas, segundo a administração militar.

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: Correio do Povo