Tatiana Stock
Tubarão

A mesma lei aprovada na capital paulista, a fim de banir os espaços destinados a fumantes em ambientes coletivos, foi copiada e aprovada em Tubarão nesta semana. “Considero que é um mal para quem consome e um incômodo para os não fumantes”, argumenta o vereador Jefferson Brunato (PSDB), autor do projeto.
O texto foi aprovado com validade de duas votações e com disposição da redação final. Agora, caberá ao prefeito Manoel Bertoncini (PSDB) sancionar, ou não, a lei. Ele tem 30 dias para analisar a proposta. Se aceitar, os estabelecimentos terão até 60 dias para se adequar à nova determinação. A matéria, considerada positiva para a saúde da população, será um “páreo duro” para os fumantes e proprietários de bares e casas noturnas da cidade.

O proprietário do Céu da Boca, Ivan Tournier Campelli, acredita que não será fácil controlar o vício dos frequentadores. “Tubarão é uma cidade pequena. Não é como São Paulo. Tenho dúvidas se (os fumantes) vão respeitar esta regra”, avalia Ivan. No seu estabelecimento, o uso de tabaco no horário do restaurante já é proibido. Mesmo assim, explica o proprietário, muita gente não respeita.
Entre os fumantes, também há polêmica quanto à proibição do cigarro. Despedir-se do hábito na balada não está nos planos da estudante de biologia Camila Siqueira. “Não tenho o costume de fumar toda hora, mas na ‘night’ não tem como. Vou ter que dar um jeitinho”, assume.

Alternativa
Ainda em implantação pela prefeitura de Tubarão, o programa de tabagismo busca incentivar fumantes a abandonarem o vício. Até agora, 160 cadastros foram feitos nos últimos dois meses. Destes, a maioria são mulheres acima de 40 anos. “Em virtude da estética e da menopausa, a autoestima fica um pouco baixa e a mulher passa a se preocupar mais”, considera a enfermeira e coordenadora do projeto, Rosalva Pinto Galassi.