Zahyra Mattar
Tubarão

Cerca de 3.710 servidores da agricultura, lotados na Epagri e na Cidasc, paralisaram os trabalhos ontem por uma hora. O manifesto foi a forma encontrada pelos funcionários para reivindicar o cumprimento do acordo firmado com o governo catarinense em julho, e garantia da retomada das negociações ainda no mês passado.
Duas cláusulas da pauta inicial foram deixadas para serem deliberadas agora, conforme pedido do estado: aumento no vale-refeição de R$ 14,00 para R$ 16,00 ao dia, a partir de janeiro, e o 13º vale-refeição este mês, além da avaliação de desempenho (plano de cargos e salários).

O diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Assessoramento, Perícia, Pesquisa e Informações de Santa Catarina (Sindaspi-SC), Nauro José Velho, avisa que a paralisação de uma hora será repetida hoje, e isso ocorrerá até o fim da semana, caso não haja uma contraproposta do governo na audiência marcada para hoje, às 17 horas, com o diretor geral da secretaria estadual da fazenda, Pedro Mendes.

Os servidores também anunciam que não descartam entrar em greve por tempo indeterminado caso o diálogo não seja retomado. “A greve é o último recurso e não acredito que chegaremos a este ponto. Mas, se ocorrer, quem perderá é o estado, que ficará vulnerável quanto às condições sanitárias, especialmente junto às divisas com outros estados e países”, lamenta Nauro.