Quem já sonhou em dar a volta ao mundo? Ah, com certeza esse é o sonho de muitas pessoas.

Há menos de um ano, o Notisul entrevistou o casal Francieli Heinz e Eduardo Neves, o casal catarinense, de Rio do Sul, que, em agosto de 2019, iniciou um grande sonho, dar a volta ao mundo e, o melhor, de carro, transportando a própria casa na carroceria de sua camionete.

Neste período, o casal percorreu por quase toda a América do Sul e, quando se preparavam para subir à América Central, veio o Coronavírus, para dar uma pausa no projeto.
Diante do espírito de viajante e do interesse em ajudar mais pessoas que possam ter direito à cidadania e não sabem sobre, para esta segunda-feira (15), às 20h, por meio do Instagram (@viajoporquepreciso.oficial), Franciele realizará um bate-papo descontraído com o advogado de Braço do Norte, Maicon Schmoeller Fernandes, eles se conheceram pelas redes sociais e descobriram que são parentes e descendentes de italianos, apesar de não carregarem sobrenome italiano.

O tema da Live é a Cidadania Italiana ‘via materna’, aquela que só pode ser obtida por uma decisão judicial na Itália, ou seja, não pode ser buscada por apoio do Consulado da Itália no Brasil.

Segundo Francieli, hoje são cerca de 30 milhões de descendentes italianos no Brasil, sendo que muitos nem mais carregam o sobrenome italiano, às vezes nem mesmo sabendo que tiveram um antecedente italiano na sua árvore genealógica.

Para o Maicon, são tantas ferramentas de busca de descendência na internet que, atualmente, não é difícil descobrir de onde vieram os avós, bisavós, trisavós, tetravós, etc. “Aliás, buscar nossas origens é um exercício muito gratificante”. Em relação ao tema do debate, o advogado acrescenta: “Saber e conseguir o reconhecimento de uma nacionalidade europeia nos abre as portas para o mundo, como é o caso da Franciele, que irá imigrar em vários países em que o passaporte italiano é recebido com mais aceitação do que o brasileiro, que muitas vezes é barrado. Porém, no caso obtenção de cidadania italiana ‘via materna’ é preciso a contratação de um advogado lá na Itália, após juntar toda a documentação no Brasil”, enfatiza.