Wagner da Silva
Braço do Norte

No Vale, a chuva forte da madrugada de ontem provocou deslizamentos de terras, deixou várias comunidades ilhadas e estradas interrompidas.
Em Rio Fortuna, as aulas foram suspensas nas redes municipal e estadual, em função da queda de barreiras. Várias comunidades estão isoladas. Apesar de registrar problemas nas estradas, em Santa Rosa de Lima, nada mais grave foi registrado. Em Grão-Pará, houve problema na SC-439, próximo à comunidade de Rio Pequeno. Parte da pista foi interditada à tarde pela Polícia Militar Rodoviária (PMRv) por causa de um deslizamento de terra.

Em São Ludgero, houve vários deslizamentos de terras e muitas famílias foram encaminhadas para abrigos. O prefeito Ademir Gesing (PMDB), o Gogo, também suspendeu as aulas. A Defesa Civil do município trabalha na avaliação de casas edificadas em locais de risco. “Se a chuva continuar, vou declarar estado de calamidade pública amanhã (hoje)”, antecipa Gogo. O mesmo é estudado pelo prefeito de Braço do Norte, Evanísio Uliano (PP), o Vânio.

Durante a madrugada de ontem, o nível do Rio Braço do Norte subiu e deixou muitas famílias em alerta. Vinte pessoas estavam desalojadas até as 16 horas de ontem. No bairro São Matheus, a Defesa Civil avalia se retira as famílias de casa por conta do risco de deslizamentos de terra. A ponte que liga o município a Grão-Pará está interditada. A rodovia SC-431, quilômetro 87, a pista foi interditada durante a tarde de ontem. Os 80 centímetros de água na pista impediam o tráfego.

Famílias em alerta
A chuva traz muita angústia. É o caso da aposentada Alvaci Nazário Bittencourt. Ela mora às margens do rio, em Braço do Norte, próximo da ponte, e passou a noite em claro com medo de ocorrer o mesmo registrado que em fevereiro de 2001, quando perdeu tudo que tinha. A casa ficou completamente submersa. “É um lugar bom de morar, mas quando a chuva é demais todos ficam em alerta. Não é fácil ter que arrumar a mala para abandonar tudo novamente”, relata.

Índices pluviométricos

Precipitação deveria ser de 77mm
De acordo com o climatologista Rafael Marques, a precipitação pluviométrica para este mês deveria ser de 77 milímetros. Porém, até a noite de ontem, choveu 240 milímetros, ou seja, três vezes mais que a média. Rafael explica que a chuva torrencial que ocorreu na madrugada de ontem foi em decorrência da formação de um sistema de baixa pressão que se formou no litoral sul do estado. O ciclone extratropical perdeu forças durante o dia de ontem e afastou-se para o oceano. Confira os dados os municípios com a precipitação de 24 horas, entre a manhã de terça-feira e a manhã de ontem:

• Jaguaruna: 137 milímetros;
• Tubarão: 125;
• São Martinho: 149;
• Grão-Pará: 90;
• Orleans: 92.

Tempo instável
O dia hoje ainda pode ser marcado por nebulosidade em boa parte de Santa Catarina, com chuva no planalto sul e litoral sul, de forma isolada e mais fraca. A previsão é do Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina (Ciram). O ciclone extratropical afasta-se para alto mar e o sol volta a predominar no estado. A temperatura estará mais baixa na madrugada e mais elevada à tarde. O vento ainda fica mais forte no litoral sul, diminuindo no decorrer do dia. O tempo deve ficar mais firme amanhã e sábado. A temperatura pode diminuir à noite e aumentar no decorrer do dia.

Outras cidades

Laguna: suspeita de tornado
Em dois dias, choveu o previsto para o mês todo em Laguna. Alguns moradores tiveram que sair de suas casas, outras foram destelhadas em função do vendaval que atingiu o município, e na região central foram registrados mais de dez pontos de alagamentos. A administração municipal decretou estado de emergência. Climatologistas suspeitam que possa ter ocorrido um tornado em Laguna.
O local mais atingido pelo vendaval foi a localidade do Perrixil. O vento chegou a mais de 110 km/h. Oito famílias estão desalojadas e 20 casas foram destelhadas.
O acesso ao Farol de Santa Marta está interditado. Três casas estão em perigo devido a riscos de deslizamentos.

Alagamento e destelhamentos em Imbituba
Em Imbituba, foram registrados pontos de alagamentos e destelhamentos. Os bairros mais atingidos foram Paes Leme e Alvorada. Uma reunião emergencial foi realizada entre a administração municipal e a Defesa Civil para elaborar um plano emergencial para retirar as famílias dos locais que oferecem riscos à segurança da população. Na cidade, também foi decretada situação de emergência.

Deslizamentos em Capivari de Baixo
Em Capivari de Baixo, quatro famílias precisaram ser retiradas em função de deslizamentos nas encostas do morro no Bairro Alvorada. No bairro Santo André, uma família que reside próximo ao rio Capivari também foi removida, em função do desbarrancamento das margens. As ruas do município também estão intransitáveis.

Famílias isoladas em Gravatal
Em Gravatal, duas famílias ficaram isoladas na comunidade de Ilhota Grande. Equipes dos bombeiros tentavam resgatá-las na noite de ontem. Diversos pontos de alagamentos também foram registrados na cidade.